Cana - Açúcar - Bioenergia - Etanol
Twitter Wordpress

Artigos

Voltar

Frente quer regras claras e políticas públicas para setor sucroenergético - Arnaldo Jardim

11/11/2013

Na terça-feira, cinco de novembro, assumi a responsabilidade de presidir a Frente Parlamentar pela Valorização do Setor Sucroenergético. Uma tarefa que muito me honra e que espero compartilhar com os mais de 300 parlamentares que até agora aderiram ao colegiado suprapartidário cujo principal objetivo é mover o setor da paralisia em que se encontra pela falta de definição de políticas governamentais para reposicionar o etanol na matriz energética do País como combustível ambientalmente seguro e economicamente viável.

O lançamento da frente, na Câmara dos Deputados, em Brasília (DF), foi prestigiado por mais de 300 pessoas: representantes de entidades dos plantadores de cana e usineiros, secretários de estados, deputados, senadores, prefeitos e vereadores de todo o País. E contou com a presença do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), do pré-candidato do PSDB à Presidência da República, senador Aécio Neves (MG), do primeiro-secretário da Câmara, deputado André Vargas (PT-PR) e do presidente do Fórum de Secretários de Energia, José Aníbal (SP).

O apoio maciço reflete a preocupação de amplos segmentos da sociedade com as indefinições e hesitações governamentais que provocaram a queda da participação do etanol na matriz de combustíveis brasileira de 56% para 34%. E com o futuro de um setor de atividades que se distribuem por mais de 1.000 municípios brasileiros, reúne mais de 400 unidades industriais e 70 mil produtores independentes de cana-de-açúcar; é responsável por um faturamento anual da ordem de R$ 70 bilhões, geração de divisas de US$ 16 bilhões; mais de 2,5 milhões de empregos diretos e indiretos e cerca de quatro mil indústrias de base.

A crise setorial, que já levou ao fechamento de quase 50 usinas e que provocou desemprego em massa é ocasionada pela leniência governamental e intervenção errática sobre os preços nos últimos anos. Faltam incentivos para que o nosso produto seja competitivo nos mercados interno e externo e uma reformulação da política de precificação de energia. Andamos para trás, com a gasolina e o diesel novamente subsidiados em detrimento do etanol; gás natural com diferentes preços; energia elétrica de diferentes fontes tradadas de forma uniforme, sem considerar suas vantagens ou desvantagens competitivas; impostos aplicados sem racionalidade econômica e sem benefícios claros para os cidadãos.

Apesar de diretamente prejudicada pela ausência de políticas públicas adequadas e por interferências no mercado de combustíveis que distorcem os preços e prejudicam a competitividade do etanol, a cadeia produtiva da cana-de-açúcar tem investindo para ganhar eficiência e produtividade e a prova é que conseguirá uma safra recorde neste ano, lembrou no evento a presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Elizabeth Farina.

Mas os bons resultados do lado da produção não se traduzem em retorno para os produtores. Nos últimos três anos o preço médio pago pelo etanol na usina é decrescente enquanto os custos estruturais e conjunturais da produção tem crescido sem parar.

Apesar do que parece ser a eminente redefinição de uma política realista para os preços de diesel e gasolina por parte da Petrobras e do governo, a frente quer mais para a retomada da competitividade e do crescimento sustentado do setor, como o desenvolvimento de um melhor planejamento estratégico da matriz energética brasileira, por meio da instituição de regras claras e de políticas públicas - especialmente tributárias - que reconheçam os benefícios ambientais e sociais do etanol e da bioeletricidade.

O governo não tem sido capaz de implementar essas ações por falta de visão estratégica e desconhecimento sistêmico da importância tecnológica, econômica, ambiental e política do setor sucroenergético.

A frente reivindica a definição de uma política de precificação dos combustíveis - que inclua a recuperação da função originária da CIDE - para dar previsibilidade ao planejamento dos empresários, investidores e da sociedade e a criação de um ambiente que favoreça e incentive a inovação tecnológica nas áreas de produção agrícola e industrial, indústria de base e de insumos, bem como no aumento da eficiência do consumo do etanol nos automóveis flex, além de ações para ampliar as exportações de etanol e consolidar a normatização internacional para a commodity.

Entre outras medidas, aprovadas por unanimidade no lançamento da frente, estão também a reivindicação por incentivos à bioeletricidade (cogeração), por meio de leilões públicos dedicados que incorporem adequadamente as externalidades positivas ao seu preço e a elaboração de políticas públicas que reconheçam a enorme importância e valorizem as atividades dos mais de 70 mil fornecedores de cana brasileiros.

Estou feliz com a forte adesão à frente, não apenas de lideranças políticas, mas de entidades fundamentais da cadeia produtiva da cana-de-açúcar. Todos entendem que não é mais possível esperar que sejam tomadas providências urgentes para reverter a situação do setor. E não se engane o governo quanto à abrangência desse movimento e de suas fortes e justas demandas. A Frente Parlamentar pela Valorização do Setor Sucroenergético demonstra que todos queremos, com urgência, regras claras e políticas públicas responsáveis para o setor

 
Arnaldo Jardim é deputado federal (PPS-SP) e presidente da Frente Parlamentar pela Valorização do Setor Sucroenergético


Fonte: Arnaldo Jardim

Calendário de Eventos

Parceiros

  • Rede AgroServices
  • Organização de Plantadores de Cana da Região Centro-Sul do Brasil
  • CEISE Br
  • CanaOnline
  • CanaMix
  • Revista Canavieiros
  • UNICA - União da Indústria de Cana-de-Açúcar

Aguarde um momento.


Em breve você será redirecionado para uma página segura

Recuperar Senha

Digite seu email parar receber uma nova senha, em seguida cheque sua caixa de entrada de email

Aterar Senha

Digite sua nova senha

Cana de Açúcar Brasil Newsletter técnica do Grupo IDEA

A busca por informações confiáveis, necessárias para o estabelecimento de metas, rendimentos operacionais, custos de produção e indicadores de desempenho é um enorme desafio para a nova realidade da agroindústria sucroalcooleira.

Ao assinar a newsletter do Newsletter técnica do Grupo IDEA você receberá quinzenalmente em seu email informações precisas que são fruto de nossa experiência e de diversos estudos já realizados no setor e tem a chance de participar ativamente de novos estudos que serão realizados no futuro. Tudo isso com a exclusividade de receber informações privilegiadas antes do mercado.





Cana - Açúcar - Bioenergia - Etanol
GRUPO IDEA:
Pabx: 55 (16) 3610-4770
Fone/fax: 55 (16) 3211 4770
Rua da Redenção, 116
Bairro Jardim Mosteiro
Ribeirão Preto/SP