Cana - Açúcar - Bioenergia - Etanol
Twitter Wordpress

Artigos

Voltar

Governo versus Petrobrás - O Estado de S.Paulo

04/11/2013

Continuam em risco a saúde financeira e os planos de investimento da maior empresa nacional, a Petrobrás, enquanto o governo mantém suspense sobre a adoção de uma nova política de preços de combustíveis. Para disfarçar a inflação, o Palácio do Planalto e o Ministério da Fazenda têm recorrido há vários anos ao controle de preços, impondo graves perdas à companhia, atrapalhando a realização de seus planos e ainda prejudicando a produção de etanol. Informações divulgadas pela empresa motivaram durante alguns dias a expectativa de uma nova política, menos sujeita à demagogia e muito mais racional. Mas o ministro da Fazenda, Guido Mantega, logo contra-atacou. Nenhum novo método para fixação de preços foi definido, disse ele na quarta-feira, em Brasília. No mesmo dia, a Petrobrás divulgou as linhas gerais de um novo critério de reajuste para o diesel e a gasolina, baseado em valores internacionais, taxa de câmbio e origem (Brasil ou exterior). A aplicação do critério seria automática.
 

Por estatuto, cabe à diretoria executiva da empresa fixar a estrutura e a política de preços, mas essa determinação tem sido atropelada, pelo menos desde o segundo mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pelos interesses políticos imediatos e também pelos objetivos eleitorais do grupo instalado no Palácio do Planalto. Na prática, prevalece, em relação aos preços, a orientação transmitida pelo presidente do Conselho de Administração da estatal, o ministro da Fazenda, porta-voz, nesse caso, da estratégia sacramentada no gabinete da presidente da República.
 

A política de preços é uma "decisão séria, importante", e é preciso evitar uma resolução "de afogadilho", disse o ministro. A frase seria apenas mais um inocente acacianismo, se a circunstância fosse outra. Para começar, a Petrobrás é uma empresa fundada há 60 anos e sua administração deve - ou deveria - dispor há muito tempo de critérios de fixação de preços. Um novo método só foi elaborado e aprovado por seus diretores porque a companhia está sujeita há muitos anos ao arbítrio desastroso do Palácio do Planalto.
 

Algumas consequências desse arbítrio ficaram claras, mais uma vez, no balanço publicado na sexta-feira passada. O lucro do terceiro trimestre, de R$ 3,39 bilhões, foi 45% menor que o do segundo e 39% inferior ao de igual período de 2012. Vários fatores foram apresentados no relatório para explicar essa queda, maior que a estimada pelos especialistas do mercado. Uma das mais importantes foi a defasagem de preços, agravada pela recente alta do dólar.
 

Ainda segundo o comunicado, uma nova "metodologia de precificação" seria submetida em 22 de novembro ao Conselho presidido pelo ministro. Para o mercado, essa notícia promissora acabou sendo mais importante que o mau resultado financeiro do terceiro trimestre. Se quisesse apenas desconversar ou evitar qualquer compromisso prematuro, o ministro da Fazenda poderia, nos dias seguintes, anunciar à imprensa a intenção de falar sobre o assunto só depois da reunião do dia 22. Mas ele foi muito além disso, ao negar a existência de um novo método definido e ao condenar qualquer decisão "de afogadilho".
Com essas palavras, ele praticamente desqualificou o trabalho realizado na Petrobrás sobre a política de atualização de preços.
 

Se nenhuma reviravolta ocorrer, a Petrobrás provavelmente continuará servindo à política oficial de controle de índices da inflação - algo muito diferente de uma efetiva política anti-inflacionária. A diferença foi comprovada, mais uma vez, neste ano.
Forçando a redução das contas de energia, o corte das tarifas de transporte público e controlando os preços dos combustíveis, o governo conseguiu domar os índices durante alguns meses. Mas a mágica se dissipou e os indicadores voltaram a subir - mesmo os oficiais.
 

Apesar de seu esforço para maquiar os fatos, a administração petista foi incapaz, até agora, de forçar o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) a falsificar as medidas da inflação. Nesse quesito, os Kirchners, na Argentina, foram mais eficazes. Mas ninguém deve subestimar a presidente Dilma Rousseff e sua trupe.


Fonte: O Estado de S. Paulo

Calendário de Eventos

Parceiros

  • Rede AgroServices
  • Organização de Plantadores de Cana da Região Centro-Sul do Brasil
  • CEISE Br
  • CanaOnline
  • CanaMix
  • Revista Canavieiros
  • UNICA - União da Indústria de Cana-de-Açúcar

Aguarde um momento.


Em breve você será redirecionado para uma página segura

Recuperar Senha

Digite seu email parar receber uma nova senha, em seguida cheque sua caixa de entrada de email

Aterar Senha

Digite sua nova senha

Cana de Açúcar Brasil Newsletter técnica do Grupo IDEA

A busca por informações confiáveis, necessárias para o estabelecimento de metas, rendimentos operacionais, custos de produção e indicadores de desempenho é um enorme desafio para a nova realidade da agroindústria sucroalcooleira.

Ao assinar a newsletter do Newsletter técnica do Grupo IDEA você receberá quinzenalmente em seu email informações precisas que são fruto de nossa experiência e de diversos estudos já realizados no setor e tem a chance de participar ativamente de novos estudos que serão realizados no futuro. Tudo isso com a exclusividade de receber informações privilegiadas antes do mercado.





Cana - Açúcar - Bioenergia - Etanol
GRUPO IDEA:
Pabx: 55 (16) 3610-4770
Fone/fax: 55 (16) 3211 4770
Rua da Redenção, 116
Bairro Jardim Mosteiro
Ribeirão Preto/SP