Cana - Açúcar - Bioenergia - Etanol
Twitter Wordpress

Artigos

Voltar

Por que o leilão de Libra foi bem sucedido

04/11/2013

No leilão de Libra, o tema petróleo mostrou seu potencial histórico de despertar o sentimento nacional e deixá-lo em guarda, o que é positivo. Porém, a atmosfera abrasada embaralha argumentos. Conceitos anacrônicos ressurgem imbricados com motivação oposicionista e supostos ideólogos abusam de conclusões cheias de adjetivos e vazias de substantivos. A opinião pública às vezes é levada à confusão. Daí que, embora sob o ângulo do interesse nacional, o leilão tenha sido amplamente vitorioso, subsistem demandas a serem esclarecidas. Trato aqui de duas delas: em que contexto o governo resolveu levar Libra a leilão e, depois do leilão, qual parcela do óleo extraído ficará com a União.

Quando a Petrobras chegou ao pré-sal da Bacia de Santos em 2007, estávamos às vésperas da 9ª Rodada de Licitações de blocos exploratórios da ANP. Iam a leilão, sob o regime de concessão, 41 blocos da província recém-descoberta. No dia 8 de novembro, a 19 dias do leilão, o Conselho Nacional de Política Energética retirou da 9ª Rodada todos esses blocos, por proposta da ANP, com o imediato e decisivo apoio do presidente Lula.

Em julho de 2008, decreto presidencial nomeou uma Comissão Interministerial de oito membros para propor um marco para a nova província. Foi aí que surgiu a proposta de partilha da produção para o pré-sal. Em setembro de 2009, o Congresso recebeu as proposições governamentais para o pré-sal, e em 2010 foram promulgadas leis sobre a partilha, a estatal Pré-sal Petróleo S.A e o Fundo Social. Mas houve outra lei de iniciativa governamental também aprovada pelo Congresso, a que autorizava a União a capitalizar a Petrobras, cedendo-lhe até cinco bilhões de barris de petróleo de alguma acumulação a ser localizada no pré-sal.

Para viabilizar essa cessão, a ANP reexaminou aqueles blocos retirados da 9ª Rodada e aí localizou dois pontos. Em seguida, autorizou a Petrobras a fazer duas perfurações, os poços 2-ANP-1-RJS e 2-ANP-2-RJS. O primeiro, em maio de 2010, descobriu Franco, e o segundo chegou a Libra, em outubro do mesmo ano. Eram acumulações enormes, avaliadas inicialmente entre 5 e 8 bilhões de barris, cada uma, números que cresceram depois. A ANP cuidou de contratar a empresa britânica Gaffney, Cleide & Associates para certificar a existência dos cinco bilhões de barris de petróleo.

A empresa Gaffney certificou os cinco bilhões em Franco e adjacências. Ato contínuo, o governo deliberou ceder todo esse petróleo à Petrobras, sem licitação, sem cobrança de bônus de assinatura, sem pagamento de participação especial, sujeito apenas a royalties de 10%. Com base nesse manancial petrolífero, a Petrobras procedeu à maior capitalização que uma empresa já fez no mundo - US$ 70 bilhões. O Estado brasileiro ganhou também no processo. Sua participação no capital social da empresa saiu de 39% e foi para 48%. (Os 52% restantes são de capital privado, a maior parte estrangeira, negociada na Bolsa de Valores de Nova York).

Com Franco cedido à Petrobras, os órgãos governamentais deliberaram então que o próximo reservatório - Libra -, descoberto meses depois, de tamanho semelhante, deveria ir a leilão, cobrando bônus elevado, royalties de 15%, operado pela Petrobras, gerido pela PPSA e beneficiando diretamente a União e seus grandes projetos de educação e saúde. Foi essa decisão que agora foi levada à prática.

O segundo ponto - quanto do óleo extraído vai para a União - suscita interpretações diferenciadas. A própria partilha despertou controvérsias, aparecendo dois tipos de reação: uma, de setores provavelmente ligados a grandes petroleiras, e outra, de sindicatos de trabalhadores e movimentos sociais. Os primeiros achavam que a partilha, tal qual a fizemos no Brasil, tinha uma interferência excessiva do Estado; os segundos diziam que o modelo capitulava frente às multinacionais e privatizava o pré-sal. A suposta excessiva intervenção estatal teria levado a que as duas maiores petroleiras americanas e as duas maiores inglesas se afastassem do leilão; e a suposta ameaça de privatização do pré-sal levou a que sindicalistas e movimentos sociais defendessem a suspensão do leilão. Por razões distintas, ambas vertentes coincidiam na crítica ao leilão. Ambas revelaram-se equivocadas.

A participação de quatro das maiores petroleiras do mundo no consórcio vitorioso, patrocinado pela Petrobras, mostrou como a presença do Estado não "afugentou" eventuais parceiros. A distribuição do óleo extraído do campo realçou como os interesses nacionais foram salvaguardados.

De um hipotético barril de petróleo extraído de Libra e negociado a US$ 100, poderíamos simular situações em função do custeio do óleo, que pode oscilar de US$ 10/barril a US$ 30/barril. Tomando uma cifra média de US$ 20/barril, teríamos, de forma aproximada, as seguintes parcelas destinadas ao poder público: 1) US$ 15 de royalties (15%); 2) US$ 27 correspondentes aos 41,65% do "excedente em óleo" que o consórcio vencedor da licitação se comprometeu a pagar à União; 3) US$ 9,50 de imposto de renda (25% sobre o ganho das empresas); 4) US$ 3,42 de Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), correspondente a 9% sobre o mesmo ganho; 5) US$ 4,95 oriundos dos dividendos do governo na Petrobras (a União tem 48% das ações da Petrobras).

As parcelas indicadas totalizam US$ 59,94, ou seja, aproximadamente 75% de todo o óleo extraído em Libra irão para o poder público, na hipótese de um custeio simulado médio de US$ 20 por barril. Este custeio naturalmente pode ser maior ou menor. Mas considerando, sobretudo, o retorno dos investimentos do Fundo Social, esta parcela pode então ultrapassar os 80%, situando-se entre as maiores do mundo.

Assim, estão certos os que disseram que o leilão foi um "sucesso".



Fonte: Valor

Calendário de Eventos

Parceiros

  • Rede AgroServices
  • Organização de Plantadores de Cana da Região Centro-Sul do Brasil
  • CEISE Br
  • CanaOnline
  • CanaMix
  • Revista Canavieiros
  • UNICA - União da Indústria de Cana-de-Açúcar

Aguarde um momento.


Em breve você será redirecionado para uma página segura

Recuperar Senha

Digite seu email parar receber uma nova senha, em seguida cheque sua caixa de entrada de email

Aterar Senha

Digite sua nova senha

Cana de Açúcar Brasil Newsletter técnica do Grupo IDEA

A busca por informações confiáveis, necessárias para o estabelecimento de metas, rendimentos operacionais, custos de produção e indicadores de desempenho é um enorme desafio para a nova realidade da agroindústria sucroalcooleira.

Ao assinar a newsletter do Newsletter técnica do Grupo IDEA você receberá quinzenalmente em seu email informações precisas que são fruto de nossa experiência e de diversos estudos já realizados no setor e tem a chance de participar ativamente de novos estudos que serão realizados no futuro. Tudo isso com a exclusividade de receber informações privilegiadas antes do mercado.





Cana - Açúcar - Bioenergia - Etanol
GRUPO IDEA:
Pabx: 55 (16) 3610-4770
Fone/fax: 55 (16) 3211 4770
Rua da Redenção, 116
Bairro Jardim Mosteiro
Ribeirão Preto/SP