Artigos

A mente do agricultor na era digital - Por Amélio Dall’Agnol e Arnold Barbosa de Oliveira

Postado em 10 de Dezembro de 2021

Durante os 12 últimos meses da crise pandêmica, o uso de meios digitais no Brasil subiu de 36% para 46%: incremento de 28%. Enquanto isso, nos Estados Unidos e na União Europeia, os usos dessas ferramentas, que antes da pandemia já eram mais modestos, respectivamente na casa dos 24% e 15%, continuam inferiores, não passando de 31% e 22%.

Difícil acreditar como a digitalização avançou rapidamente no Brasil e no mundo. A pesquisa revelou que, em 2020, o agricultor brasileiro foi, na média global, o profissional que mais utilizou os meios digitais em suas atividades.
Segundo Marcos Jank, professor de Agronegócio do Insper, os produtores brasileiros aceleraram mais a transformação digital de suas operações que países desenvolvidos, desde o início da pandemia de Covid-19. Essa pandemia promoveu um saldo fantástico na utilização dos meios digitais pelo agro brasileiro.

Durante os 12 últimos meses da crise pandêmica, o uso de meios digitais no Brasil subiu de 36% para 46%: incremento de 28%. Enquanto isso, nos Estados Unidos e na União Europeia, os usos dessas ferramentas, que antes da pandemia já eram mais modestos, respectivamente na casa dos 24% e 15%, continuam inferiores, não passando de 31% e 22%. Além do comércio, as amenidades e as trocas de informações técnicas, climáticas e conjunturais também migraram, em boa parte, para os smartphones. Tudo isso é extremamente positivo.

A crise sanitária de 2020/2021 constituiu-se num grande acelerador de engajamento digital de agricultores nativos, envolvendo aspectos como compra de insumos e maquinários, comercialização da produção, agricultura de precisão, inovação e tecnologia, planejamento, gestão financeira e de riscos e sustentabilidade. “A abertura do agricultor brasileiro para a era digital é uma realidade, e nos últimos dois anos observa-se uma vivência muito intensa sobre essa questão no País”, declarou o presidente da divisão agrícola da Bayer do Brasil.

Mas tem problemas. Os principais gargalos para maior penetração da tecnologia digital é a infraestrutura digital deficiente, a insegurança digital e a pouca experiência do usuário no uso da ferramenta. Apenas 23% dos usuários têm acesso completo à Internet em toda a operação agrícola. Além disso, a exemplo do que acontece com outros usuários das redes sociais, os agricultores são vítimas das fake news e de outras abordagens, que acabam por desinformar e influenciar os agricultores para atendimento a interesses alheios aos seus.

Espera-se que, com o tempo, os agricultores e os demais cidadãos conectados possam desenvolver os filtros de que necessitam para resistirem ao impacto dessas maldades e se resguardem do potencial negativo da tecnologia que têm nas mãos. Se tem algo que podemos lastimar nessa onda positiva, é o acesso desigual a essa tecnologia entre os agricultores, promovendo a segregação dos menos capazes de lidar com a novidade, deixando-os cada vez mais isolados no processo evolutivo, até, talvez, serem forçados a desistir da atividade rural, por absoluta falta de competitividade.

Felizmente, iniciativas como a da EMATER de Minas Gerais amenizam, pelo menos o gargalo do desencorajamento em lidar com as novas tecnologias. Dessa forma, vai-se conduzindo, aos poucos, os menos favorecidos ao novo agro digital. O uso de ferramentas digitais precisa alcançar a todos. Elas significam inclusão social e econômica do usuário.

*Amélio Dall’Agnol e Arnold Barbosa de Oliveira, pesquisadores da Embrapa Soja

 

Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores. As opiniões neles emitidas não exprimem, necessariamente, o ponto de vista do Grupo IDEA.O nosso papel é apenas a veiculação do conteúdo.


Fonte: Canal Rural