Clipping

Açúcar bruto avança com precificação de estocagem relacionada ao coronavírus

Postado em 26 de Março de 2020

 Os contratos futuros do açúcar bruto negociados na ICE avançaram pelo terceiro dia seguido nesta quarta-feira, apoiados por uma recuperação global nos mercados acionários e à medida que operadores passaram a precificar com base em formações de estoques relacionadas à pandemia de coronavírus.

O contrato maio do açúcar bruto fechou em alta de 0,14 centavo de dólar, ou 1,2%, a 11,41 centavos de dólar por libra-peso, em mais uma sessão positiva, continuando a avançar em relação à mínima de um ano e meio registrada em 19 de março (10,59 centavos).

Os mercados de ações tiveram recuperação em todo o mundo, repercutindo um pacote de estímulo fiscal de 2 trilhões de dólares dos Estados Unidos para lidar com os impactos econômicos do coronavírus. A maior parte dos mercados de commodities também avançou.

Operadores disseram que por enquanto já foi precificado o fator baixista relacionado às quedas nos preços do petróleo, que tendem a fazer com que usinas brasileiras produzam mais açúcar, em detrimento do etanol.

“O fator dominante nas últimas duas semanas foi o colapso nos preços da energia, mas não acho que o açúcar tenha precificado totalmente a formação de estoques. Há uma parte disso precificada, mas acredito que há mais por vir”, disse Carlos Mera, analista do Rabobank.

As usinas de açúcar do centro-sul registraram um rápido início na moagem de cana da nova safra, processando 3 milhões de toneladas na primeira quinzena de março, 88% a mais que em igual período do ano passado, segundo a associação Unica.

O açúcar branco para maio terminou o dia estável, cotado a 338,90 dólares por tonelada.


Fonte: Reuters