Clipping

Açúcar bruto se recupera e avança na ICE após tocar mínima de contrato; café recua

Postado em 24 de Julho de 2019

Os futuros do açúcar bruto na ICE fecharam em alta nesta terça-feira depois de recuarem para uma mínima de contrato, à medida que sinais técnicos melhoraram e operadores anteciparam uma queda na produção de açúcar do Brasil, enquanto o café encerrou a sessão em baixa.

AÇÚCAR

* O contrato outubro do açúcar bruto fechou em alta de 0,42 centavo de dólar, ou 3,6%, a 11,98 centavos de dólar por libra-peso, após grandes volumes negociados.

* Os preços marcaram uma mínima contratual de 11,39 centavos de dólar, pressionados por ofertas abundantes no curto prazo, mas a capacidade de permanecerem acima da marca de 11,36 centavos, mínima de 21 de maio em um gráfico contínuo, ajudou a encorajar uma virada, disseram operadores.

* Os valores também receberam suporte de crescentes expectativas de que os dados da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), com divulgação prevista para quarta-feira, devam mostrar uma queda significativa na produção do adoçante no Brasil, segundo operadores.

* “Ainda que o foco esteja na Tailândia e Índia, o Brasil é de longe o maior exportador”, disse Michael McDougall, diretor da Paragon Global Markets.

* Embora as ofertas de curto prazo na Índia e Tailândia sejam abundantes, operadores monitoram uma possível queda na produção futura devido ao tempo seco.

* No Brasil, enquanto isso, as usinas de cana continuam a priorizar a produção de etanol.

* Com a paridade do etanol ao redor dos 14,45 centavos de dólar, “não há incentivo para que as usinas brasileiras produzam açúcar, a não ser que tenham contratos de exportação. Elas querem produzir o máximo possível de etanol”, disse McDougall.

* O volume de açúcar a ser embarcado nos portos do Brasil despencou para seu menor nível em pelo menos cinco anos, à medida que as usinas reduzem exportações do produto em meio ao declínio dos preços globais.

* O vencimento outubro do açúcar branco avançou 3,20 dólares, ou 1%, para 318,30 dólares por tonelada.

CAFÉ

* O contrato setembro do café arábica fechou em queda de 2,8 centavos de dólar, ou 2,7%, a 1,023 dólar por libra-peso, após recuar para uma mínima de um mês de 1,0215 dólar.

* Este foi o terceiro fechamento negativo seguido, com o mercado sob pressões renovadas, após preocupações com geadas no Brasil no início deste mês, que não danificarem tanto os cafezais quanto esperava-se.

* Os preços também foram pressionados pelo real mais fraco, o que pode encorajar as vendas por produtores de commodities precificadas em dólar, como o café.

* O café robusta para setembro recuou 24 dólares, ou 1,7%, e fechou a 1.369 dólares por tonelada.

 

 


Fonte: Reuters - retirado do Portal Mix Vale