Clipping

Açúcar: EUA e México prorrogam discussão e acordo pode sair nesta terça

Estados Unidos e México estão próximos de um acordo que deve evitar uma guerra comercial entre os dois países por causa das exportações mexicanas de açúcar, disse nesta segunda-feira, 5, o secretário de Comércio norte-americano, Wilbur Ross. “Os dois lados chegaram a entendimentos de forma bastante significativa”, disse Ross em comunicado.

Ao mesmo tempo, o secretário disse que um acordo não seria finalizado nesta segunda-feira e que as negociações foram prorrogadas por 24 horas, até o fim de terça-feira, para que os dois lados concluam as consultas técnicas finais. No início de maio, Ross estabeleceu a data de 5 de junho como prazo final para que os dois países chegassem a um acordo, caso contrário os EUA adotariam uma tarifa sobre as importações de açúcar do México.

Alguns produtores norte-americanos acusam seus colegas mexicanos de prática de dumping, que seria sustentada por subsídios irregulares. A indústria mexicana de açúcar, por sua vez, ameaçava exigir barreiras à importação de xarope de milho de alta frutose dos EUA caso o país adotasse tarifas sobre a importação de açúcar do México.

Um porta-voz do Ministério da Economia do México não comentou imediatamente a prorrogação das negociações.

O Departamento de Comércio dos EUA não deu detalhes sobre as conversas, mas o acordo deve incluir limites mais rígidos para a quantidade e os tipos de açúcar que o México pode vender para os EUA.

A disputa teve início em 2008, quando entrou em vigor o livre comércio de açúcar entre os dois países de acordo com os termos estabelecidos em 1993 pelo Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta, na sigla em inglês). O forte aumento que se seguiu nas exportações mexicanas de açúcar motivaram as queixas da indústria norte-americana.

A administração do presidente Barack Obama ameaçou impor barreiras às importações de açúcar do México, mas os dois lados negociaram em 2014 um acordo que impôs cotas e controles de preço sobre o produto mexicano. Embora tenham aceitado o pacto inicialmente, produtores norte-americanos passaram a reclamar que o acordo não estaria funcionando como planejado, o que levou à rodada mais recente de negociações. Fonte: Dow Jones Newswires


Fonte: Estadão Conteúdo