Clipping

Agrishow: vendas da John Deere na América do Sul devem crescer entre 15% e 20%

Ancorada na supersafra brasileira de grãos, a John Deere espera crescimento de 15% a 20% nas vendas de máquinas agrícolas na América do Sul em 2017. “Estamos vendo uma reação nas indústrias e nas vendas e isso provém de três fatores: o primeiro é ano excelente de produtividade e produção, para 230 milhões de toneladas no Brasil; o segundo fator é que, mesmo com queda nos preços, a margem ainda está positiva”, disse Alex Sayago, diretor de Vendas e Marketing da América do Sul da companhia. “O terceiro fator positivo são os instrumentos de financiamento e acesso ao financiamento, o que melhora as vendas”, emendou.

Sayago minimizou o fato de os juros do crédito agrícola terem ficado mais “caros” e até mesmo negativos com a queda na inflação e na taxa básica de juros e disse esta confiante que o governo continuará com apoio ao setor na safra 2017/2018. “Monitoramos a situação de juros, acompanhando as declarações do Ministério da Agricultura, do BNDES e entendemos que uma situação não foi definida por completo. Mas estamos confiantes de que as autoridades vão continuar apoiando a agricultura”.

O executivo lembrou que a John Deere considera o Brasil um dos mercados mais importantes e que seguirá com investimentos no País. Nos últimos dez anos, o aporte da montadora no País somou cerca de US$ 500 milhões.
 


Fonte: Estadão Conteúdo