Clipping

Alagoas terá safra recorde este ano, estima IBGE

Estimativa divulgada na terça-feira, 11, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que a produção da safra em Alagoas para este ano deve chegar a 70.632 toneladas, um aumento de 85,4% comparado com o ano anterior. Os dados são do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de março, que estima para a safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas uma produção de 230,3 milhões de toneladas este ano, contra as 184 milhões de toneladas produzidas na safra de 2016, o que representa uma alta de 25,1%.

Mesmo com uma estimativa de crescimento recorde na safra alagoana, o Estado não tem participação significativa – igual ou acima de 0,1% – na produção nacional, assim como os estados do Acre, Amapá, Rio Grande do Norte, Espírito Santo, Amazonas e Rio de Janeiro.

De acordo com o levantamento do IBGE, excetuando-se a cana-de-açúcar – historicamente a maior produção do Estado –, a mandioca é o produto com maior estimativa de produção em Alagoas, com 268.628 quilos estimados para este ano. Apesar disso, os números representam queda de 3,8% em comparação com o ano anterior.

É justamente em novas culturas que Alagoas tem investido, segundo o secretário de Agricultura, Álvaro Vasconcelos. Ele acredita que, através da diversificação nas culturas agrícolas, o Estado poderá deixar de ser refém da monocultura da cana-de-açúcar. Para o secretário, as ações de distribuição de sementes são um estímulo para a diversificação. “A agricultura é primordial para a recuperação e o desenvolvimento da economia, é nesse cenário que estimulamos o pequeno e médio produtor”, destaca.

Ele especifica o caso da cultura do milho, que, segundo o levantamento do IBGE, permanece estável em Alagoas. “A cultura do milho tem uma procura muito grande, está presente tanto na alimentação humana quanto na animal, é de manuseio já conhecido pelos produtores e pode ser praticada tanto pelo pequeno quanto pelo médio ou grande produtor”, explica Álvaro Vasconcelos.

O secretário reafirma os dados apresentados pelo IBGE e revela que a expectativa do governo era até maior, podendo chegar a um aumento de 100%. No entanto, a seca pela qual o Estado de Alagoas vem passando atrapalhou tanto a colheita quanto o plantio.
 


Fonte: Gazeta de Alagoas