Clipping

Aproximadamente, quatro usinas de Belo Monte estão adormecidas nos canaviais

Aproveita-se apenas 15% do potencial energético da cana, que é de 144,8 TWh

Atualmente, a capacidade de energia elétrica instalada e outorgada no Brasil é de 167.260 MW. A fonte “biomassas em geral” - que inclui bagaço e palha de cana, casca de arroz, floresta e resíduos de sólidos urbanos - representa 9% dessa potência, ocupando a 3ª posição, atrás apenas das fontes hídrica e fóssil.

O setor sucroenergético especificamente detém hoje 11.356 MW, valor superior a capacidade instalada na Usina Hidrelétrica (UHE) de Belo Monte (11.233 MW), representando em torno de 7% da potência outorgada no Brasil e 77% da fonte biomassa. Trata-se da quarta fonte de geração mais importante da nossa matriz, atrás das fontes hídrica, das termelétricas a gás natural e das eólicas.

Embora expressivo, o poder da bioeletricidade no setor canavieiro é ainda bastante subaproveitado e aquém de seu real potencial. De acordo com o gerente de bioeletricidade da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica), Zilmar José de Souza, considerando o aproveitamento pleno da biomassa existente (bagaço, palha e biogás) nos canaviais na safra 2017/18, a geração de bioeletricidade sucroenergética para a rede tem potencial técnico para chegar a sete vezes o volume ofertado à rede no ano passado (21,4 TWh).

“Hoje, aproveitamos apenas 15% do potencial, que é de 144,8 TWh. São, aproximadamente, quatro UHE Belo Monte adormecidas nos canaviais. Isso mostra as grandes oportunidades que temos para aproveitar melhor o potencial dessa fonte renovável e sustentável, a partir de uma biomassa já existente nos canaviais e sem que haja a necessidade de plantar um pé de cana a mais.”

Para Souza, a iniciativa da Raízen – fábrica de biogás por meio da vinhaça e torta de filtro - dará um “gás” a mais nesse setor, se tornando uma vitrine tecnológica para que mais usinas também passem a utilizar a vinhaça e a torta de filtro para a produção de biogás e, consequentemente, de energia elétrica. “Com a introdução do RenovaBio e a expectativa de dobrarmos a produção de etanol até 2030, haverá um aumento significativo da disponibilidade de vinhaça e torta de filtro. Por conta disso, acredito que, num futuro não tão distante, o biogás será vital para acordar aquelas usinas Belo Monte adormecidas nos canaviais.”

 


Fonte: CanaOnline