Clipping

As inovações contribuem para o setor fazer bonito no RenovaBio

Terão direito aos CBIOs os biocombustíveis que comprovarem que reduziram a emissão de carbono e não agridem a natureza

A partir de 2020 passarão a vigorar as metas de descarbonização propostas pelo RenovaBio – projeto governamental que vai estimular a produção e o consumo dos biocombustíveis. E, assim, o Brasil poderá cumprir o compromisso assumido no acordo do clima de Paris, de reduzir, até 20130, suas emissões em 43%.

Os produtores de combustíveis renováveis que comprovarem que durante o processo de produção reduziram a emissão de carbono, que consomem menos água, não desmatam e não agridem a natureza, conquistarão Créditos de Descarbonização(CBIOs). Cada unidade de CBIO corresponde a uma tonelada de gás carbônico retirada da atmosfera.

Os CBIOsserão comercializados aos distribuidores de combustíveis fósseis e será estipulada uma meta de quantos CBIOs os distribuidores deverão comprar, quem não cumprir será multado. A venda dos CBIOs vai estimular e aumentar cada vez mais o poder de descarbonização dos biocombustíveis, pois a competição não termina com a conquista do CBIO. As metas de descarbonização aumentarão a cada ano. Os biocombustíveis precisarão atingi-las para continuarem a receber os CBIOs.

A adoção de novas práticas e tecnologias fará com que o setor conquiste muitos CBIOs. Várias inovações já estão no mercado e movimentam o setor. Mas um grande número delas está no forno, são tantas, que podemos prever que o ritmo do setor será vertiginoso.


Fonte: CanaOnline