Clipping

As sementes de plantas daninhas acordaram

Postado em 19 de Dezembro de 2018

Uso de implementos e/ou máquinas agrícolas que não foram adequadamente limpas levam sementes de áreas infestadas para limpas

As chuvas não só agem como estimulante para a cana-soca, mas despertam o banco de sementes viáveis de plantas daninhas que estão no solo em estado de dormência, prontas para eclodir ao menor sinal de estímulo, vindo a substituir àquelas que, com grande esforço, foram eliminadas pelas equipes de tratos culturais das usinas.

Alguns pesquisadores estimam que a quantidade de sementes enterradas na camada arável do solo em diferentes ecossistemas e localidades pode variar de 2.000 até 70.000 sementes por metro quadrado. Muito disso se deve a elevada capacidade reprodutiva de algumas plantas daninhas, como serralha (400.000 sementes/planta), maria pretinha (178.000 sementes/planta), caruru (120.000 sementes/planta), beldroega (53.000 sementes/planta) e mentrasto (40.000 sementes/planta).

Além da alta capacidade de produção de sementes, outros fatores também agem como preponderantes para o enriquecimento de um banco de sementes. Hidrocoria (disseminação pela água), anemocoria (disseminação pelo vento) e zoocoria (disseminação pelos animais) estão entre os principais. Entretanto, o maior agente dispersor de sementes é o homem, através do uso de implementos e/ou máquinas agrícolas que não foram adequadamente limpas e que podem levar sementes de áreas infestadas para limpas.

Já a longevidade dessas sementes no solo é variável em função da espécie, da profundidade de enterrio, do tipo de solo e das condições climáticas. De maneira geral, as espécies podem ser classificadas de acordo com a longevidade em: microbióticas (longevidade menor que três anos), mesobióticas (longevidade entre três e dez anos) e macrobióticas (longevidade maior que dez anos). Entre as mais longevas, pode-se destacar a caruru gigante (40 anos viáveis no solo) e a ambrosia (39 anos viáveis no solo).

Juntas, estas características são responsáveis por gerar grandes bancos de sementes no solo, que podem ser considerados como o principal fator limitante para a erradicação completa das ervas invasoras dos canaviais.


Fonte: CanaOnline