Clipping

Aumento da produção de etanol a base de milho pode reduzir preço nas bombas

Postado em 15 de Abril de 2019

O setor sucroenergético mato-grossense avalia que a solução para haver redução de preço do etanol hidratado nas bombas dos postos de combustível é apostar no aumento da produção do etanol a base de milho. Em Cuiabá o litro do biocombustível sofreu uma retração de aproximadamente R$ 0,10 centavos em alguns postos na semana que passou. O início da safra de cana-de-açúcar e a manutenção do preço do óleo diesel por parte da Petrobras, diante pressão do governo federal, são alguns fatores para tal.

Hoje para encher um tanque de combustível de 45 litros em Cuiabá o consumidor gasta cerca de R$ 112,00, considerando o valor de R$ 2,499 na bomba.

“A oscilação dos preços da gasolina já tem mostrado um grande aumento no consumo de etanol. Nós tivemos um aumento de 42% em 2018, comparado a 2017, no consumo de etanol hidratado e curiosamente saiu essa semana que só nessa primeira quinzena de março subiu 23% em relação a 2018”, afirmou o presidente da União Nacional de Etanol de Milho (UNEM), Ricardo Tomczyk, durante o 8º Encontro Sucroenergético.

De acordo com a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o litro do etanol nos postos de combustíveis de Mato Grosso é o mais barato do país. Levantamento realizado em 160 postos no estado entre 31 de março e 06 de abril revela um valor médio de R$ 2,611 o litro, seguido de Goiás a R$ 2,731 e São Paulo de R$ 2,764. A maior média encontrada foi no Rio Grande do Sul a R$ 4,107 o litro.

Mato Grosso produz, atualmente, 1,85 bilhão de litros de biocombustível/ano, contando com 11 indústrias que utilizam como matéria-prima a cana-de-açúcar e o milho. E, de acordo com o Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras do Estado de Mato Grosso (Sindalcool-MT), entre 60% e 70% da produção ainda é oriunda da cana-de-açúcar.

Das 11 usinas ativas somente a FS Bioenergia em Lucas do Rio Verde utiliza apenas o milho como matriz energética, entretanto estão previstas para iniciar as operações outras três usinas no segundo semestre de 2019: FS Bioenergia em Sorriso, Inpasa em Sinop e Etamil em Campo Novo do Parecis.

Além disso, novos projetos foram anunciados recentemente como a FS Bioenergia que iniciará em breve as obras da unidade de Nova Mutum e já conta com projetos para Primavera do Leste e Campo Novo do Parecis. Há ainda um projeto da Ethanol Bioenergia em Nova Mutum, do grupo mato-grossense O+ Participações em conjunto com a paraguaia Inpasa, como o Mato Grosso Agro já comentou.

O Brasil possui atualmente dez usinas de etanol de milho em operação, sendo que cinco estão localizadas em Mato Grosso, três em Goiás, uma em São Paulo e outra no Paraná.

O diretor executivo do Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras do Estado de Mato Grosso (Sindalcool/MT), Jorge dos Santos, durante o evento destacou que Mato Grosso dentro de alguns anos Mato Grosso não precisará mais importar gasolina porque terá etanol em grande quantidade. “O preço do etanol é visivelmente mais baixo em comparação ao preço dos combustíveis fósseis. Projetando um cenário em MT, se a demanda aumenta e a produção de etanol no estado também aumenta, a necessidade de importar gasolina diminui e a população tem acesso a um combustível mais barato melhor para o meio ambiente”.

A produção etanol de milho além de ser considerada um alento para o bolso dos consumidores é uma atividade que contribui ambientalmente. A partir de sua matéria-prima tem capacidade de produzir pelo menos mais três produtos e é fonte geradora de renda e emprego.

Por: Viviane Petroli

 

 


Fonte: Redação Mato Grosso Agro - Texto retirado do CanaOnline