Clipping

Banco Europeu de Investimento vai parar de financiar combustíveis fósseis

Postado em 18 de Novembro de 2019

O conselho do Banco Europeu de Investimento (BEI) anunciou uma nova política de empréstimo para o setor de energia e vai parar de financiar projetos de combustíveis fósseis a partir de 2021. O foco dos novos financiamentos em energia será acelerar a inovação para geração de energia limpa, eficiência energética e renováveis. O banco vai liberar ? 1 trilhão para financiamento em ações climáticas e investimentos ambientais sustentáveis ??na década até 2030

A nova política do BEI de empréstimos para energia será norteada por cinco pontos principais:

Priorizar a eficiência energética, com vista a apoiar o novo objetivo da União Europeia (UE)

Possibilitar a descarbonização de energia por meio de um maior apoio à tecnologia de baixo ou zero carbono, com o objetivo de atingir uma parcela de 32% de energia renovável em toda a UE até 2030

Aumento do financiamento para produção de energia descentralizada, armazenamento inovador de energia e mobilidade elétrica

Garantir o investimento na rede essencial para novas fontes de energia intermitentes como eólica e solar, além de fortalecer as interconexões transfronteiriças
Aumentar o impacto do investimento para apoiar a transição energética fora da UE

Fundo para Transição Energética

O BEI entende que 10 países da UE enfrentam desafios específicos de investimento em energia e pretende colaborar com a Comissão Europeia para apoiar o investimento em um Fundo de Transição. Para isso poderá financiar até 75% do custo do projeto elegível para novos investimentos em energia nesses países.

Desde 2012, o BEI liberou ? 150 bilhões em financiamento, apoiando ? 550 bilhões em investimentos em projetos que reduzem emissões e ajudam os países a se adaptarem aos impactos das mudanças climáticas.

O Banco Europeu de Investimento (BEI) é instrumento financeiro da União Europeia. Foi criado em 1958, no do Tratado de Roma e tem a sua sede em Luxemburgo.

Assine a newsletter Diálogos da Transição, e fique por dentro da nossa cobertura dos mercados de gás natural, energias renováveis e biocombustíveis.

 


Fonte: Epbr (15/11) - retirado da Agência UDOP de notícias