Clipping

Bayer e UFV firmam parceria

A Bayer, empresa do setor agroquímico, e a Universidade Federal de Viçosa (UFV) firmaram parceria para o desenvolvimento de pesquisas voltadas para a agricultura tropical. O acordo é considerado importante para atendimento da real necessidade dos setores produtivos e para que os resultados cheguem aos campos. A expectativa é de que contribuam para alavancar a produtividade brasileira. Os estudos serão realizados pelos pesquisadores da UFV e da Bayer e terão apoio técnico e financeiro do Centro de Expertise em Agricultura Tropical (Ceat) da Bayer.

O gerente de Alianças da Bayer para América Latina, Renato Luzzardi, explica que o centro de expertise - que tem o objetivo de desenvolver novas tecnologias que deem suporte aos negócios - fez análises de potenciais parceiros para a realização de pesquisas e desenvolvimento de novas tecnologias para a agricultura tropical. Entre as universidades avaliadas, a UFV se destacou por ser considerada uma das grandes escolas de agronomia e com forte atuação nas pesquisas voltadas para a agricultura.

“Em 2016, nós fizemos contato com a UFV, através de professores que já conhecíamos em trabalhos anteriores e fizemos a proposta de estabelecer relacionamento institucional. Após conversas, assinamos o marco de cooperação. A assinatura foi em 2017 e, a partir daí, iniciamos um levantamento de oportunidades, avaliando as linhas de pesquisas conduzidas pela universidade e que a UFV tem interesse de conduzir junto com a Bayer”, explicou.

Seleção 

Após a assinatura do acordo já foram apreciados pela Bayer 70 projetos desenvolvidos em diferentes departamentos da UFV, sendo que 12 deles foram selecionados para uma análise mais detalhada. Na próxima etapa, a empresa irá avaliar a possibilidade de colocar os projetos em prática, identificando áreas da Bayer que precisarão ser acionadas para viabilizar a parceria e a necessidade de aporte financeiro.

Em termo de culturas, a prioridade das pesquisas será para a soja, milho e cana-de-açúcar, que são importantes produtos da agricultura tropical. As linhas de pesquisas incluem fisiologia de planta, aplicações de tecnologias digitais para agricultura, doenças de plantas, estudos relacionados a compostos biológicos, herbicida, entre outros.

“Agora estamos na etapa de levantar informações das linhas prioritárias com o objetivo de fazer um direcionamento dentro da empresa, trabalhar os planos de negócios, para termos mais elementos na tomada de decisão. Estamos planejando a assinatura do primeiro acordo de implementação já para o segundo semestre de 2018. Este processo será contínuo com a universidade, onde teremos um time de trabalho com pesquisadores das duas instituições”, explicou Luzzardi.

Parceria

A parceria público-privada (PPP) é avaliada como uma solução importante para os desafios enfrentados pela agricultura tropical, que tem um sistema de cultivo diferenciado pelas oportunidades de se cultivar mais de uma safra por ano e utilizar o sistema de rotação com a soja, milho, trigo, feijão e algodão, por exemplo.

“Nosso objetivo é buscar soluções e trazer a sustentabilidade para o agricultor. O ambiente tropical é muito específico e tem necessidades próprias que precisam ser pesquisadas. Com o trabalho em conjunto será possível identificar as demandas, os potenciais econômicos e direcionar melhor as pesquisas. Além disso, vamos levar o resultado para o mercado”.


Fonte: Diário do Comércio