Clipping

Biogás: nova energia para o setor brasileiro de cana?

Postado em 15 de Outubro de 2019

A indústria brasileira de cana já é uma vitrine para o agronegócio sustentável, atualmente usa mais de 50% da cana-de-açúcar que processa para a produção de etanol combustível, enquanto quase todo o resíduo fibroso da moagem, bagaço, é usado para a geração de vapor e eletricidade .

No entanto, as principais empresas agora estão mostrando sinais claros de interesse em uma terceira tecnologia, a geração de biogás. A geração de biogás, no mínimo, aumentará ainda mais a capacidade do setor de gerar energia. Além disso, se seu potencial fosse plenamente realizado, poderia reduzir drasticamente a pegada de carbono da produção de cana.

Nos últimos anos, mais da metade da cana produzida e moída no Brasil foi usada para produzir etanol, 90% dos quais entram no sistema de distribuição de combustível do país, onde é usado como aditivo na gasolina (toda a gasolina contém 27% de etanol) ou é vendido na forma pura na bomba como substituto da gasolina. Hoje, cerca de 70% dos veículos leves nas estradas brasileiras são bicombustíveis, o que significa que eles são capazes de rodar com etanol puro, gasolina pura ou qualquer mistura dos dois. A UNICA, o órgão representativo da indústria da cana, calcula que, de 2003 (ano em que foram introduzidos os carros flex) até 2019, o uso de etanol como aditivo e substituto da gasolina no Brasil reduziu as emissões de gases de efeito estufa em um total de 553m de toneladas de CO 2 equivalente.

Além disso, todas as usinas do Brasil são auto-suficientes em geração de energia – as operações são alimentadas pela queima do bagaço, o resíduo fibroso produzido após a moagem da cana, nas caldeiras da usina. Além disso, 40% das usinas produzem mais eletricidade através deste sistema do que consomem, e esse excedente é vendido à rede, contribuindo com uma estimativa de 3,5% do fornecimento nacional de eletricidade em 2018.

Assim, via etanol e eletricidade, o setor de cana já contribui significativamente para o suprimento de energia renovável no Brasil. E pode estar prestes a dar um passo adiante significativo.

Vários dos atores mais progressistas do setor (incluindo Raízen, Adecoagro, São Martinho, Cocal e Jalles Machado) estão investigando ou já investindo na geração de biogás a partir de resíduos subutilizados do processamento de cana. O mais comum deles é a vinhaça, o resíduo líquido gerado pela produção de etanol. A vinhaça é produzida em volumes consideráveis ​​- para cada litro de etanol produzido, geralmente haverá 10 a 14 litros de vinhaça gerada. Geralmente é devolvido aos canaviais como um substituto de fertilizante de baixo teor. No entanto, devido ao seu volume e baixa densidade de nutrientes, é caro transportar vinassa por longas distâncias e pode apresentar alguns desafios técnicos e econômicos. É um produto muito ácido, por isso pode afetar o pH do solo e pode cheirar desagradável e atrair moscas,

Outros resíduos que podem ser usados ​​para produzir biogás são lama de filtro, um resíduo sólido do processo de moagem, também geralmente retornado ao campo, e folhas de cana que são removidas na colheita e normalmente deixadas no campo.

O biogás é produzido a partir dessas matérias-primas em um biodigestor, onde a matéria orgânica é anaerobicamente convertida (ou seja, na ausência de oxigênio) pela atividade bacteriana em uma mistura de metano e CO2. Esse biogás é adequado para queima de energia de geradores de eletricidade. No entanto, há também uma opção para purificar ainda mais o biogás em 95% de metano. Isso pode ser usado como substituto do gás natural para uso industrial e doméstico – de fato, um dos projetos anunciados envolve a colaboração entre uma empresa de moagem, a Cocal, com uma empresa de distribuição de gás, para produzir metano em uma usina e depois distribuí-lo aos usuários em duas cidades da região.

Uma futura frota de bebedores de (bio) gás?

Olhando mais adiante, o verdadeiro desenvolvimento revolucionário é o possível uso de metano gerado dessa maneira como substituto do diesel nos tratores e caminhões envolvidos na produção de cana. Estima-se que, para produzir uma tonelada de cana e levá-la a uma fábrica para processamento, sejam consumidos cerca de 4 litros de diesel no cultivo em campo e no transporte de cana. O diesel é geralmente o maior custo de insumo de uma usina de cana, e as economias em potencial nos custos de combustível são projetadas para serem substanciais. Além disso, a redução de emissões de gases de efeito estufa associada a essa mudança de combustível também é enorme.

Quão absurdo é imaginar substituir o diesel pelo metano? Os veículos leves movidos a gás já são uma realidade no Brasil, mas representam apenas 4% da frota total. E os principais fabricantes de caminhões e tratores, como Scania e New Holland, já desenvolveram protótipos movidos a gás. Eles se uniram aos esforços para desenvolver o mercado, junto com potenciais produtores de metano.

Quais são as chances disso decolar? É muito cedo para avaliar, mas a aliança entre os principais players de açúcar e etanol com os principais fabricantes de tratores e caminhões fornece credibilidade. Enquanto isso, a nova política do Brasil para impulsionar as reduções de emissões no setor de transportes, a RenovaBio, que entra em vigor em 2020, fornecerá incentivos financeiros para reduções de emissões associadas à produção de biocombustíveis e à geração de eletricidade. Atualmente, não está claro quanto de um impulso a RenovaBio poderia trazer a qualquer projeto destinado a substituir o diesel pelo biogás, porque o preço das reduções de emissões de carbono sob o novo esquema é complexo e estará sujeito a forças de mercado.

No entanto, para os desenvolvedores do projeto, qualquer receita extra proveniente da RenovaBio é vista como cereja no topo do bolo. A lógica econômica que conduzirá os projetos decorre da significativa economia de custos e independência de combustível associada à substituição das compras de diesel por uma alternativa derivada de resíduos produzida na própria fábrica. Então, sim, é cedo – mas esta é uma iniciativa que definitivamente vale a pena assistir.

 


Fonte: Portal PetroLink