Clipping

Biosev esclarece boato sobre a venda da unidade de Lagoa da Prata

Após boatos de que a unidade da Biosev em Lagoa da Prata seria vendida, muitas pessoas ficaram preocupadas. As informações começaram a circular na cidade após o portal ‘Brasilagro’ divulgar que a Louis Dreyfus Company (LDC) estaria se preparando para sair do mercado sucroalcooleiro no Brasil, e ainda que os franceses teriam vendido as usinas da Biosev localizadas nos estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Rio Grande do Norte e também Minas Gerais. A Biosev, controlada pela Louis Dreyfus Group, é uma das líderes globais na produção de açúcar e etanol e iniciou sua atuação no setor no ano 2000 com a aquisição de sua primeira unidade no Brasil. A Biosev tem capacidade de produção de 2,5 milhões de toneladas de açúcar e 1,6 milhão de metros cúbicos de etanol, além de capacidade de cogeração para venda de 1.346 Gwh de energia elétrica proveniente da biomassa. A Companhia adota altos padrões de governança corporativa e é listada no Novo Mercado da B3, conforme explicou a assessoria de comunicação da empresa.

O Jornal Cidade procurou a empresa, que enviou uma nota explicando a situação. Leia a na íntegra:

“A Biosev S.A. esclarece que é uma empresa de capital aberto e, por isso, todas as informações relevantes são devidamente informadas ao público e ao mercado por meio de comunicados disponíveis na sessão “Relação com Investidores” em nosso site. Comprometida com a transparência, trimestralmente os resultados financeiros da companhia também são divulgados no mesmo canal.

Para alcançarmos maior eficiência operacional e melhorar a geração de caixa, a Biosev implementa desde 2018 o programa de competitividade operacional, conforme explicado em comunicado do dia 30/11/2018. Dentre as medidas trabalhadas estão a análise de potenciais alternativas estratégicas relacionadas a todo o seu portfólio de ativos, as quais podem envolver uma ampla gama de oportunidades, dentre elas, a otimização de ativos, eventuais parcerias estratégicas, associações, joint ventures, reorganizações e/ou alienações de ativos — como ocorrido por exemplo nas vendas das unidades agroindustriais Estivas, em Arez (RN), e Giasa, em Pedras de Fogo (PB), divulgadas em 20/09/2018 e 09/11/2018, respectivamente.

No contexto do programa de competitividade operacional, a Biosev pode eventualmente ter o apoio de parceiros externos para prestar serviços de consultoria e assessoria financeira e apoiá-la na análise e execução de tais potenciais alternativas estratégicas em relação a todo o seu portfólio de ativos. No momento, não há nenhuma negociação em andamento para a venda de outras unidades produtivas.

A Biosev tem um compromisso de longo prazo com o Brasil e acredita no negócio. Somos uma empresa sólida e estamos focados na concretização dos nossos planos estratégicos, que permanecem voltados a manter a disciplina financeira e ganhar resiliência, buscando maximizar a eficiência operacional para a redução de custos e aumento da produtividade, além da geração de caixa”.

 

 

 

 


Fonte: Jornal Cidade