Clipping

BNDES financia produtores de biocombustíveis

Postado em 18 de Fevereiro de 2021

Empresas que alcançarem metas de redução de emissão de CO2 terão redução nos juros

No fim de janeiro, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou uma linha de crédito de R$ 1 bilhão para produtores de biocombustíveis, com o objetivo de estimular a redução das emissões no segmento. O programa, chamado BNDES RenovaBio, prevê que as empresas que alcançarem metas de redução de emissão de CO2 terão redução na taxa de juros. Segundo Petrônio Cançado, diretor de crédito e garantia do BNDES, é uma iniciativa complementar à política do RenovaBio, com a intenção de incentivar a adoção de melhores práticas produtivas e ambientais.

Cada empréstimo terá valor máximo de R$ 100 milhões por unidade produtora, sendo que o limite por grupo econômico é de R$ 200 milhões. O prazo de pagamento da linha é de até 96 meses, com carência de até 24 meses, e juros formados pela TLP ou referenciais de custo de mercado, acrescido de uma remuneração de 1,5% ao ano, e uma taxa de de risco de crédito. Caso a empresa comprove a redução de emissão de carbono estipulada pelo banco, os juros podem cair em até 0,4 ponto percentual.
A iniciativa faz parte da agenda do banco de fomento, que inclui projetos e soluções com critérios ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês). “O apoio à implantação de projetos verdes e sociais é uma demanda crescente, não somente de investidores, como ficou evidente especialmente no ano de 2020, como também da sociedade brasileira”, diz Cançado.

Segundo ele, 53% da carteira de crédito do BNDES está vinculada a projetos que apoiam a economia verde e o desenvolvimento social. Entre 2015 e 2020, o banco desembolsou R$ 140 bilhões para projetos associados a esses segmentos, sendo R$ 86 bilhões para a economia verde e R$ 54 bilhões para desenvolvimento social.

Em outubro de 2020, o BNDES captou R$ 1 bilhão em letras financeiras verdes, em uma operação lançada no mercado doméstico, com vencimento de dois anos e taxa de CDI + 0,45% ao ano. A emissão foi feita na forma de oferta privada para instituições financeiras e investidores institucionais brasileiros, com demanda superior a R$ 7 bilhões. “Os recursos captados serão voltados a projetos de geração eólica ou solar, mas temos intenção de ampliar o apoio para outros setores verdes e sociais futuramente”, diz o diretor do banco. A captação no ano passado foi o segundo ‘green bond’ emitido pelo BNDES — em 2017, a instituição estreou no segmento com ‘global notes’ de US$ 1 bilhão.

O banco prevê subscrever R$ 8,5 bilhões em debêntures de infraestrutura e sustentáveis entre 2020 e 2021, conforme noticiou o Valor em outubro. Segundo Cançado, esse montante representa uma estimativa de demanda por financiamento de projetos com características ESG em infraestrutura, em especial nos setores de energia e rodovias. A quantia reflete a diretriz do banco em dividir, na maioria dos casos, o risco de crédito com mercado de capitais, bancos multilaterais e privados, principalmente em grandes obras de infraestrutura.

 


Fonte: Valor Econômico