Clipping

Caminhoneiros cobram reajuste de diesel até duas vezes por ano e reforçam intenção de parar dia 1º

Postado em 15 de Janeiro de 2021

O presidente da Associação Nacional do Transporte Autônomos do Brasil (ANTB), José Roberto Stringasci, afirma que a greve dos caminhoneiros prevista para 1º de fevereiro poderá ser maior do que a de 2018, no governo de Michel Temer.

— Segundo Stringasci, a alta do preço do diesel é o principal motivo. “É o principal ponto, porque o sócio majoritário do transporte nacional rodoviário é o combustível (50% a 60% do valor da viagem). Queremos uma mudança na política de preço dos combustíveis”, informa.

— Desde 2016, a Petrobras adota o Preço de Paridade de Importação (PPI) para reajustar os combustíveis no país. Na época, os reajustes eram praticamente diários, seguindo a flutuação do mercado internacional, mas agora não tem prazo determinado.

— “A Petrobras não foi criada para gerar riqueza para meia dúzia, a Petrobras é nossa e tem que ajudar o povo brasileiro e o Brasil (…) Queremos preços nacionais para os combustíveis, com reajuste a cada seis meses ou um ano. Essa é uma das maiores lutas nossas desde 2018, e até antes, e até hoje”, destaca.

— Outras reivindicações são o preço mínimo de frete, parado no Supremo Tribunal Federal (STF), após um recurso do agronegócio, e a implantação do Código Identificador de Operação de Transporte (Ciot), duas medidas criadas após a greve de 2018.

— A ANTB integra o Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC), que na semana passada já alertou para a possibilidade de uma paralisação nacional.

Estadão Conteúdo

A Petrobras não eleva os preços do diesel desde o fim de 2020. As importadoras questionam a política de preços – com defasagem, as janelas de importação ficam fechadas. A Petrobras nega o represamento dos preços.

— Nas duas primeiras semanas do ano, o preço do petróleo Brent acumula uma variação de 8%. Os contratos futuros fecharam em baixa, após operarem grande parte do dia em alta, em resposta ao corte de produção pela Arábia Saudita e ao relatório de estoques nos EUA.

— O Brent chegou a ultrapassar os US$ 57 pela primeira vez em dez meses, mas recuou 0,92%, fechando o dia a US$ 56,06 o barril. Já o WTI para fevereiro registrou baixa de 0,56%, a US$ 52,91 o barril.

— Nessa quarta (13), foi divulgado que a Saudi Aramco passará a ofertar níveis menores de petróleo bruto a partir do mês que vem como parte de contratos a longo prazo, distribuindo a algumas processadoras asiáticas cerca de 20% a 30% a menos em relação volume que elas desejavam.

— A queda no suprimento ocorre após os sauditas se comprometerem a cortar sua produção da commodity em 1 milhão de barris por dia em fevereiro e março.

 


Fonte: epbr