Clipping

Cana para as distribuidoras

A Cogen (associação de empresas de cogeração de energia) quer que o valor de referência que remunera as companhias que têm o bagaço da cana como matéria-prima seja maior que R$ 300 pelo megawatt.

"Há valores de referência específicos para outros tipos de geração, mas não biomassa", diz Newton Duarte, presidente da entidade.

Em geral, as renováveis são remuneradas por uma cifra de R$ 100, mas, a essa cotação, não seria interessante para o gerador vender energia para as distribuidoras.

A entidade encomendou estudos e defende que o preço deve ser maior que o atual.

A Cogen levou os números à EPE, que prepara uma nota técnica para apresentar ao Ministério de Minas e Energia.

Há um potencial de 10 GW de geração dessa modalidade instalado, ou 58% do tamanho de Itaipu. 


Fonte: Folha de S. Paulo