Clipping

Centro-Sul comercializou 1,02 bilhão de litros de etanol na primeira quinzena de junho

O volume de cana-de-açúcar processado pelas unidades produtoras do Centro-Sul totalizou 39,41 milhões de toneladas na primeira metade de junho de 2017, contra apenas 25,99 milhões de toneladas verificadas no mesmo período de 2016, quando a operacionalização da colheita foi severamente prejudicada pelas chuvas.
Apesar desse avanço, a moagem acumulada desde o início da safra 2017/2018 até 16 de junho segue atrasada em 16,11 milhões de toneladas, com 151,25 milhões de toneladas moídas nesse ano contra 167,36 milhões no mesmo período do último ano.

A produção acumulada de açúcar desde o início da atual safra, até 16 de junho, atingiu 8,07 milhões de toneladas, retração de 1,69% quando comparado com as 8,21 milhões contabilizadas no mesmo período de 2016/2017.

Especificamente nos primeiros 15 dias de junho deste ano, a fabricação de açúcar alcançou 2,38 milhões de toneladas, contra 1,20 milhão em igual data de 2016.

A proporção de cana direcionada à fabricação de açúcar na primeira quinzena de junho foi de 49,34%. Esse valor retrata a necessidade de fabricação do açúcar já contratado para entrega no primeiro terço da safra e a baixa disponibilidade do produto nas usinas. O índice, entretanto, deve ser avaliado com cautela, pois foi influenciado pela menor proporção de moagem das unidades autônomas (empresas que produzem apenas etanol) na quinzena.

Com efeito, na primeira quinzena de junho de 2016, 21,80% da moagem do Centro-Sul foi realizada por unidades autônomas. Na mesma quinzena de 2017, as condições distintas de operacionalização da colheita entre as unidades fizeram com que esse valor atingisse apenas 14,94%. Essa variação de moagem entre as unidades autônomas e anexas (usinas que produzem açúcar e etanol) fez com que o mix de produção para açúcar se elevasse na ponderação dos valores médios do Centro-Sul nos primeiros quinze dias de junho.

A fabricação de etanol, por sua vez, alcançou 5,81 bilhões de litros desde o início da safra 2017/2018 até 16 de junho. Deste total, 2,39 bilhões de litros são de anidro e 3,43 bilhões de hidratado.

Em relação ao etanol produzido na primeira quinzena de junho, foram registrados 1,51 bilhão de litros em 2017, contra 1,08 bilhão de litros na mesma data do ciclo passado, com crescimento de 39,65%.

O teor de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) por tonelada de matéria-prima alcançou 128,41 kg na primeira quinzena deste mês. No acumulado da atual safra, o índice ainda continua aquém daquele observado no último ciclo agrícola: 120,98 kg por tonelada neste ano, ante 121,84 kg por tonelada verificados em igual período de 2016.

Em relação à produtividade agrícola, dados apurados pelo Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) indicam uma queda média de 8,20% na lavoura colhida nos dois primeiros meses de 2017, com 79,89 toneladas de cana por hectare em abril e maio deste ano, contra 87,03 toneladas por hectare verificadas no mesmo período da última safra.

O volume de etanol comercializado pelas unidades produtoras do Centro-Sul somou 1,02 bilhão de litros na primeira quinzena de junho de 2017. Desse total, apenas 70,39 milhões foram destinados à exportação (queda de 40,73%) e 948,28 milhões de litros ao mercado interno.

No mercado doméstico, as vendas de etanol anidro somaram 407,03 milhões de litros, com aumento de 8,99% em relação aos 373,47 milhões observados na mesma quinzena do último ano.

As vendas quinzenais de etanol hidratado ao mercado interno, por sua vez, alcançaram 541,24 milhões de litros no início de junho. Considerando que a primeira quinzena do mês apresentou dois dias úteis a menos que a segunda quinzena de maio. Esse valor remete a um avanço de 8,20% nas vendas diárias de hidratado: 54,12 milhões de litros comercializado por dia útil na primeira quinzena de junho, contra 50,02 milhões de litros verificados na segunda metade de maio.

Para acessar o relatório quinzenal de safra, clique aqui.

O realtório completo da safra está disponível no UnicaData, clique aqu
 


Fonte: UNICA