Clipping

Centro-Sul eleva a produção de etanol em 77%

As usinas do Centro-Sul do Brasil produziram, no primeiro trimestre da safra 2018/19 – de abril a junho -, 76,36% mais etanol hidratado do que no mesmo período da safra passada. Foram produzidos 7,773 bilhões de litros do biocombustível que concorre com a gasolina nos postos, de acordo com a União das Indústrias de Cana-de-Açúcar (Unica). A alta reflete a maior quantidade de matéria-prima até o momento e a maior remuneração do etanol.

O processamento de cana no período ficou 11,6% à frente da safra passada e alcançou 222,571 milhões de toneladas. Além disso, a sacarose está mais concentrada na cana até o momento por causa da seca, o que tem aumentado a oferta de matéria-prima. O índice de sacarose (ATR) ficou em 129,10 quilos por tonelada no trimestre, alta de 4,84%.

Desse montante, a maior parte tem sido direcionada para a produção de etanol – 64,4% no período ante uma fatia de 52,61% um ano atrás. Dessa forma, a produção de açúcar tem sido penalizada e foi 12,1% menor no trimestre, somando 9,747 milhões de toneladas, segundo a Unica. A produção de etanol anidro teve pequena alta, de 2,06%, para 3,288 bilhões de litros.

Apenas na segunda quinzena de junho foram produzidas 2,350 bilhões de litros de etanol hidratado, alta de 30,44% na comparação anual. A produção da quinzena também respondeu por quase 30% da produção de todo o trimestre.

O etanol hidratado foi o único item cuja produção cresceu na segunda quinzena de junho, já que a moagem de cana do período foi menor do que no mesmo intervalo da safra passada.

Em nota, o diretor técnico da Unica, Antonio de Padua Rodrigues, afirmou que "os dados levantados reforçam a tendência observada nas quinzenas anteriores e indicam a preferência das empresas pela fabricação de etanol".

Segundo Padua, "apesar do aumento da produção de hidratado ter superado a marca de 75%, não observamos nenhum problema generalizado até o momento relacionado à armazenagem física do produto". O último levantamento sobre a capacidade de estocagem de etanol indicou a existência de tanques com capacidade superior a 16 bilhões de litros nas unidades produtoras, e a estocagem atual é inferior a 35% dessa capacidade, disse.

Por Kauanna Navarro e Camila Souza Ramos


Fonte: Valor Econômico