Clipping

Cepea: Análise agromensal do mercado de etanol

No fechamento de abril, primeiro mês oficial de safra 2019/20, os preços dos etanóis anidro e hidratado subiram em São Paulo. A média das quatro semanas cheias do Indicador CEPEA/ESALQ do etanol hidratado foi de R$ 1,8462/litro em abril, valor 3,7% maior que o das quatro semanas de março.

No caso do Indicador CEPEA/ESALQ do etanol anidro, houve alta de 5,9% na mesma comparação, com média de R$ 1,9862/litro em abril, considerando-se somente o mercado spot.

As chuvas ocorridas nas principais regiões produtoras do estado de SP atrasaram o início da moagem e afetaram os carregamentos de algumas unidades. Neste contexto, a oferta diminuiu e as cotações do biocombustível foram impulsionadas. Em contrapartida, na última semana cheia do mês, os preços dos combustíveis recuaram com a normalização da produção, aumentando, assim, a disponibilidade dos etanóis.

De maneira geral, os compradores estiveram bem ativos no mercado, tanto para repor algum volume do feriado da Páscoa quanto para compensar alguns carregamentos que não se concretizaram em função das chuvas. O movimento esteve aquecido em praticamente todos os estados da região Centro-Sul.

Mesmo com as altas nos preços dos etanóis no segmento produtor, nas bombas dos postos, o abastecimento com o etanol hidratado continuou favorável frente à gasolina C em abril nos seguintes estados: Mato Grosso (57,7%), Minas Gerais (66,9%), São Paulo (68%) e Goiás (66%), segundo dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) – dados disponíveis até o dia 25/04/2019.

NORDESTE – Nos estados do Nordeste acompanhados pelo Cepea, os preços do etanol hidratado seguiram em alta diante da oferta restrita no mercado spot e dos estoques baixos no período de entressafra. Além disso, o fluxo de etanol dos estados do Centro-Sul, pincipalmente de Goiás, impulsionou as cotações.

A média do Indicador CEPEA/ESALQ do hidratado no estado de Pernambuco fechou a R$ 2,0349/l (sem frete, sem ICMS e sem PIS/Cofins) em abril, alta de 3,58% frente a março. Para o etanol anidro, não houve dados suficientes para compor a média mensal – vale ressaltar que a média não considera álcool importado.

Em Alagoas, a média do Indicador CEPEA/ESALQ do hidratado subiu 4,44% em abril frente ao mês anterior, fechando a R$ 2,0398/l (sem frete, sem ICMS e sem PIS/Cofins). A média do Indicador CEPEA/ESALQ do anidro fechou a R$ 2,0214/l (sem frete e sem PIS/Cofins), pequena queda de 0,23% no mesmo período de comparação.

Foram produzidos, até meados de março, 474,471 milhões de litros de etanol total (anidro e hidratado) em Alagoas, 430,119 milhões de litros em Pernambuco e 376,795 milhões de litros na Paraíba, que são os três principais estados produtores de etanol da região Nordeste, segundo a base de dados divulgada pelo Mapa.

EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES – Com o início da moagem conturbado,principalmente pelas chuvas no Centro-Sul e o período de entressafra no
Nordeste, as exportações dos etanóis caíram em comparação com a temporada passada. Segundo a Secex, no primeiro mês oficial da safra 2019/20, foram enviados ao exterior apenas 4,1 milhões de litros de etanóis anidro e hidratado, gerando receita de US$ 3 milhões (R$ 11,69 milhões). O volume exportado foi 94,5% inferior ao de abril da safra anterior (74,1 milhões de litros).

As importações de etanol brasileiras somaram mais de 230,72 milhões de litros em abril, sendo 59,43% destinado aos estados do Norte e Nordeste e 40,57%, aos estados do Centro-Sul, segundo a Secex. No mesmo mês da safra anterior, foram importados cerca de 392,36 milhões de litros, volume 41,2% superior ao importado em abril/19.

 

 


Fonte: CEPEA/ESALQ