Clipping

Cevasa adota modelo de negócios “ganha-ganha” com seus fornecedores e alcança melhor performance na colheita mecanizada

Desde a implantação do programa, custos de CTT caíram em 40% e o rendimento das colhedoras mais do que dobrou 

A Usina Cevasa, de Patrocínio Paulista/SP, não vê seus produtores rurais como simples fornecedores de cana-de-açúcar. São parceiros de negócio. Recentemente, a empresa implantou um modelo de relacionamento chamado de originação sustentável, ou ganha-ganha, num jargão mais popular. Esse programa prevê a remuneração dos fornecedores com base no ATR (Açúcar Total Recuperável) relativo, além de bonificações atreladas a distância e facilidade de acesso à fazenda, aderência ao plano diretor agrícola e de desenvolvimento varietal e colheitabilidade da área. 

Para o diretor geral da usina, Luiz Paulo Sant'Anna, essa iniciativa visa fazer com que ambos os lados da equação – fornecedor e empresa – ganhem com a adoção de melhores práticas de cultivo por parte dos produtores rurais. Atualmente, 75% dos contratos da Cevasa já estão nesse modelo de negócio na safra 2018/19. 

Em dezembro, Sant’Anna apresentará detalhes do programa aos participantes do 17º Seminário de Produtividade e Redução de Custos da Agroindústria Canavieira, evento a ser realizado pelo Grupo IDEA nos dias 05 e 06 de dezembro. Na ocasião, o profissional irá detalhar o funcionamento do sistema e apresentará os resultados obtidos até o momento. Desde a adoção do projeto, os custos de CTT (Corte, Transbordo e Transporte) na Cevasa caíram em 40%, enquanto que o rendimento das colhedoras mais do que dobrou durante a colheita mecanizada. 

O diretor geral da usina explica que esse modelo tende a incentivar os fornecedores a cuidar de seus canaviais e adotar melhores práticas de manejo, pois quanto maior o zelo, maior será sua remuneração. “Se o produtor cumprir com algumas exigências, ele ganhará diversos bônus. Uma delas é a aderência ao plano diretor varietal montado no início da safra e que tenta mostrar ao agricultor o que ele perde caso não siga o ciclo de maturação das variedades ou não faça renovação do canavial.”

Outro bônus possível de ser obtido é relacionado à entrega linear ao longo da safra. Caso o fornecedor atinja a quota combinada junto à usina, com tolerância de 10% a mais ou a menos, ele será gratificado. A qualidade da matéria prima também pode ser uma fonte de renda extra. Neste caso, o produtor tem que abastecer a indústria com cana de qualidade seguindo os critérios de limites de impurezas vegetais e minerais pré-estabelecidos pela usina no início de cada ciclo.

Conheça a programação completa do evento. 

As inscrições poderão ser realizadas até 04 de dezembro.

Serviço
17º Seminário de produtividade e redução de custos da agroindústria
canavieira

Data: 05 e 06 de dezembro de 2018
Local: Centro de Convenções de Ribeirão Preto/SP

Informações: (16) 3211-4770 ou pelo WhatsApp: clique aqui

Inscrições pelo e-mail:  eventos@ideaonline.com.br

Inscrições pelo site