Clipping

Clealco recebe proposta de R$ 900 milhões à vista por usinas e terras

Postado em 16 de Outubro de 2020

Um empresário de Pernambuco, Alfredo José Gonçalo Filho, apresentou uma proposta de R$ 900 milhões, de pagamento à vista, por duas usinas e por terras do grupo sucroalcooleiro paulista Clealco, que está em recuperação judicial e tem dívidas de cerca de R$ 1,5 bilhão. Porém, o plano de recuperação da empresa não prevê esse formato de transação e o leilão dos 33 lotes de terras realizado ontem, em conformidade com o plano, recebeu outras propostas, que serão analisadas pelos credores na próxima semana.

Em documento protocolado nos autos, o empresário argumenta que as usinas Queiroz e Clementina e as terras colocadas em leilão “são um corpo único” e “indispensáveis uma a outra para o funcionamento”. Ele pede a aprovação do juiz do processo para que a proposta seja analisada.

A proposta de Gonçalo Filho, realizada através da AGF - Indústria Produtora de Açúcar, Etanol e Energia Elétrica Ltda, causou surpresa e chegou a levantar desconfianças entre pessoas que acompanham o processo, conforme apurou o Valor. A companhia possui uma usina em Pernambuco, a Usina Terra dos Palmares, e o empresário também é sócio em uma trading de açúcar, a CPM Brazil Comércio, Importação e Exportação de Commodities.

A proposta de Gonçalo Filho deverá ser discutida pelos credores, que se reunirão na próxima semana para avaliar as ofertas apresentadas pelas terras leiloadas. A percepção de quem acompanha, porém, é de que a proposta de R$ 900 milhões não deve ser aceita.

Na visão de uma pessoa próxima da Clealco, a oferta vem de uma empresa desconhecida no setor, o que levanta dúvidas sobre sua credibilidade, e deve ser descartada por trazer um modelo de negócio distinto do previsto no plano aprovado pelos credores e homologado pela Justiça.

O plano prevê o leilão das terras e o leilão de uma das duas usinas - Queiroz ou Clementina. No caso da venda das indústrias, há a previsão de que credores possam utilizar seus créditos para realizar a aquisição, desde que o lance seja de R$ 350 milhões.

Não é a primeira vez que Gonçalo Filho realiza uma proposta vultuosa por uma usina em dificuldade. O empresário já demonstrou interesse por uma usina da Renuka e, em 2016, apresentou uma proposta de R$ 850 milhões pela Usina Guaxuma, da massa falida de João Lyra, através da CPM Brazil. A transação, porém, não foi para frente. O advogado do empresário não foi encontrado para comentar.

 


Fonte: Valor Econômico