Clipping

Cofco investe para elevar capacidade de produção de etanol no Brasil

Postado em 30 de Outubro de 2019

A Cofco Agri, braço agrícola da estatal chinesa Cofco, detalhou hoje sua decisão de investir no segmento sucroalooleiro no Brasil, como indicado na semana passada durante visita do presidente Jair Bolsonaro ao país asiático.

Segundo informou Marcelo de Andrade, presidente da companhia para a área de soft commodities, durante apresentação em evento promovido pela consultoria Datagro, os aportes, que estão em andamento, são no aumento da capacidade de produção de etanol de três de suas quatro usinas no Brasil.

De acordo com o executivo, os aportes deverão aumentar a capacidade de maximização da produção de etanol em 10%, o que resultará, portanto, em uma redução da produção de açúcar pela companhia de 300 mil toneladas. Em duas das usinas, esse aumento da flexibilidade para a produção de etanol já deverá estar pronto para a próxima safra (2020/21), enquanto na terceira usina o investimento deverá ser concluído para o ciclo seguinte (2021/22).

"Como tivemos um custo de US$ 10 milhões a mais só relacionado ao Consecana, o retorno desses projetos é de menos de um ano", afirmou. Andrade disse que outros grupos também estão realizando investimentos para maximizar a capacidade de produção de etanol, o que indica que o setor tende a continuar privilegiando a produção do biocombustível para a próxima safra. "Na nossa visão, 13,60 centavos de dólar a libra-peso [do açúcar demerara na bolsa de Nova York] é o preço a partir do qual o Brasil começa a trocar de mix [para a produção de açúcar]. Abaixo disso, dificilmente as usinas brasileiras vão trocar", reforçou.

Para ele, se o Brasil não aumentar sua produção de açúcar, o fator limitante para o preço do açúcar no mercado internacional é a capacidade de exportação da Índia. Em sua avaliação, as usinas indianas são estimuladas a exportarem seu excedente quando os preços estão na faixa dos 13 centavos de dólar a 14 centavos de dólar a libra-peso.

 


Fonte: Valor Econômico