Clipping

Com mais etanol, Brasil deve perder posto de maior produtor de açúcar

A produção de etanol no Brasil na safra 2018/2019 será a maior da história, segundo a primeira revisão feita pela JOB Economia neste mês. Por outro lado, o Brasil deixará de ser o maior produtor mundial de açúcar. Confira, abaixo, as principais conclusões deste relatório:

I -Safra 2018/19 versus safra 2015/2016 
Estamos em 2018 repetindo condições da  safra 2015/16, quando o viés alcooleiro da safra foi elevado. Onde estão as diferenças em relação a 2015/16?

Performance da safra 
Atualmente prevemos  para o Centro-Sul 69 milhões de toneladas de cana-de-açúcar a menos e maior rendimento industrial quando comparamos com 2015/16. Esta condição de menor quantidade de cana para moagem, que permite reduzir a velocidade de moagem, favorece a flexibilidade de mix na fábrica e facilita o esforço de maximização da produção de etanol.

Preços do petróleo e gasolina mais elevados, o que dá suporte para preços do etanol e aumenta sua competitividade na bomba. Na safra 2015/2016 o preço do petróleo WTI variou em torno de 45 US$/barril . Nesta safra, seus preços têm oscilado em torno de 68 US$/barril.

Considerando que os preços do açúcar nos mercados externos nestas duas safras 2015 e 2018 são relativamente baixos, o incentivo econômico para maximizar a produção de etanol é claro e nesta presente safra é ainda mais forte que em 2015/2016. Desde Outubro de 2017, o etanol no Centro-Sul remunera melhor o produtor que o açúcar. Este prêmio comercial do etanol sobre o açúcar de mercado interno variou de 4% a 40% e a expectativa é de que isto continue nos próximos meses.

II -A produção da atual safra 2018/2019
A produção de etanol no centro-sul do Brasil será recorde com 29,2 bilhões litros, sendo 0,8 bilhões de litros etanol de milho. O máximo produzido até agora foi 28,2 bilhões litros em 2015/16. Na região Nor-nordeste, cuja safra está começando, a produção de etanol deve alcançar 2,0 bilhões litros. Ou seja, o Brasil deve produzir um recorde de 31,2 bilhões litros de etanol, sendo destaque o etanol hidratado.

No caso do açúcar, o centro-sul irá produzir 27 milhões de toneladas , ou seja, 9,1 milhões de toneladas a menos que na safra passada e irá encolher como exportador mundial do produto.  Esta forte redução na produção de açúcar  deve surpreender o mercado mundial que prevê um superávit para a nova safra em torno de 7 milhões de toneladas. À medida em que esta quebra de safra ficar evidente para os mercados externos de açúcar, provavelmente os preços serão afetados positivamente.

O Nor-nordeste deve produzir somente 2,7 milhões de toneladas de açúcar e o Brasil 29,7 milhões de toneladas . Desta forma, o Brasil perde para a Índia, que deve produzir acima de 33 milhões de toneladas, a posição de maior produtor mundial de açúcar

Os estoques de passagem de açúcar e etanol serão reduzidos, o que dará bom suporte para preços na entressafra.


Por Julio Maria M. Borges - Sócio-Diretor da JOB Economia e Planejamento.


Fonte: Canal Rural