Clipping

Comerciantes da Índia praticamente param vendas de açúcar e arroz ao Irã

Postado em 4 de Março de 2021

Comerciantes indianos pararam quase totalmente de assinar novos contratos de exportação com compradores iranianos de commodities como arroz, açúcar e chá, devido à cautela sobre as reservas cada vez menores em rúpias de Teerã com bancos indianos, disseram seis autoridades do setor à Reuters.

“Os exportadores estão evitando negociar com o Irã, uma vez que os pagamentos estão atrasando meses”, disse um negociante de Mumbai de uma casa de comércio global.

As reservas de rúpias do Irã no UCO e no Banco IDBI da Índia, as duas instituições autorizadas a facilitar o comércio de rúpias, esgotaram-se, e os exportadores não têm certeza se serão pagos a tempo por novos carregamentos, disse o revendedor.

Sob as sanções dos EUA, Teerã não pode usar dólares americanos para realizar transações de vendas de petróleo.

Anteriormente, o Irã tinha um acordo para vender petróleo à Índia em troca de rúpias, que usava para importar produtos essenciais, incluindo commodities agrícolas, mas o governo indiano parou de comprar petróleo de Teerã em maio de 2019, depois que uma isenção das sanções dos EUA expirou.

Teerã continuou usando suas rúpias para comprar produtos da Índia, mas depois de 22 meses sem vendas de petróleo bruto as reservas em rúpias do Irã ficaram escassas, disseram as fontes, que pediram anonimato, citando a privacidade dos negócios.

A República Islâmica comprava principalmente arroz basmati, chá, açúcar, farelo de soja e medicamentos da Índia.

“Os exportadores de arroz estão preocupados com o mecanismo de pagamento atual”, disse Vijay Setia, um exportador de arroz e ex-presidente da Associação de Exportadores de Arroz da Índia.

“Houve muito atraso nos pagamentos dos embarques do ano passado. Os exportadores receberam os pagamentos seis meses após os embarques”, disse Setia. No primeiro trimestre de 2020, o Irã importou quase 700.000 toneladas de arroz basmati da Índia, mas no mesmo período deste ano os embarques devem ser “insignificantes”, disse Setia. No ano passado, o Irã foi o maior comprador de arroz basmati e açúcar da Índia. O Irã atende a mais de um terço de sua demanda de açúcar e arroz por meio de importações, estimam traders.

O Ministério do Comércio do Irã e o Banco Central do Irã se recusaram a comentar o assunto.

 


Fonte: Reuters