Clipping

Conta de luz vai ficar mais cara

Após o aumento nas alíquotas do PIS/Cofins anunciadas na última semana pelo governo federal, que deixou o bolso do consumidor mais vazio ao abastecer seus veículos, agora é a vez de mudanças no preço da tarifa da conta de luz. Com o litro do diesel R$ 0,20 mais caro, o processo de geração de energia nas usinas termelétricas será afetado, e o contribuinte, mais uma vez, vai arcar com o repasse desse custo adicional.
 
Por meio de nota, a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) afirmou que a “alteração tributária pode impactar somente uma pequena parcela da geração da energia elétrica, e não terá efeito diferenciado por região, uma vez que a CCC (Conta de Consumo de Combustíveis) é rateada entre todos os consumidores de energia elétrica, independentemente da localização”.
 
Isso significa que, em breve, a conta de luz de todos os brasileiros irá aumentar. Até o momento, a Aneel não soube informar qual será, especificamente, o impacto no aumento dos tributos na CCC.
 
O diesel é utilizado nas usinas termelétricas, mais presentes na região Norte do Brasil. Isso porque a rede nacional de transmissão de energia, que permite enviar eletricidade mais barata – produzida pelas hidrelétricas – não passa em algumas áreas dessa parte do País. No entanto, todos os consumidores ajudam a custear esse valor adicional por meio da CCC. Os valores do plano anual de custos da CCC são de R$ 5,056 bilhões em 2017. Entretanto, eles não se referem apenas ao óleo diesel e, sim, a toda a atividade de geração de energia nos sistemas isolados.
 
Na avaliação do economista e coordenador do curso de Administração do Instituto Mauá de Tecnologia Ricardo Balistiero, a alta dos tributos sobre a gasolina (R$ 0,41), o etanol (R$ 0,21) e o diesel (R$ 0,20), aliada ao encarecimento da conta de luz, é mais um problema pontual para o consumidor. “O repasse da Aneel é normal, ela só está avisando ao consumidor que a tendência é piorar lá na frente”, assinala. “Infelizmente, trata-se de mais um ônus sobre a renda familiar”.
 
Ainda, por meio de nota, a Aneel ressaltou que “os reajustes tarifários previstos nos contratos de concessão das distribuidoras são diferentes caso a caso, pois cada concessionária tem características próprias”. Procurada, a AES Eletropaulo não soube precisar qual será o impacto nas contas de luz.
 
Na percepção de Balistiero, o normal é que, além das distribuidoras de energia, outros serviços também encareçam. “Acredito que todos (os segmentos) que dependem da utilização dele (óleo diesel) vão repassar o reajuste para o consumidor final”.
 
Conforme o Diário mostrou na semana passada, as empresas que oferecem serviços de transporte público municipal serão fortemente atingidas. De acordo com levantamento da Aesa (Associação das Empresas do Sistema de Transporte de Santo André), a conta mensal ficará aproximadamente R$ 300 mil mais cara na cidade.
 
BANDEIRA TARIFÁRIA - Não é só o aumento do óleo diesel que vai impactar o preço das contas de luz. Em razão do baixo aproveitamento das usinas hidrelétricas, recentemente, por conta do clima seco, a Aneel realizará a mudança da bandeira de cobrança tarifária a partir de agosto. Ou seja, o consumidor vai pagar R$ 3 mais a cada 100 kWh (quilowatts/hora) consumidos.
 
Hoje, a bandeira tarifária em vigor é a amarela, que leva taxa extra de R$ 2. A mudança das cores indica que o custo de produção de energia aumentou no País em razão da falta de chuvas, que seca os rios e diminui o nível de água nos reservatórios nacionais.  
 
 

 

 

 


Fonte: Diário do ComércioDiário do Grande ABC