Clipping

Copersucar vence prêmio de logística e armazenamento

Postado em 2 de Dezembro de 2020

Avanço de modelo de plataforma integrada de negócios permitiu companhia registrar faturamento recorde na safra 2019-2020

A Copersucar foi eleita a melhor empresa na categoria Operador Logístico e Armazenagem do prêmio Maiores do Transporte & Melhores do Transporte 2020, promovido pela OTM Editora, responsável pela publicação da revista Transporte Moderno. O ranking considerou o desempenho financeiro de 2019 de mais de 1000 empresas do setor em todos os modais de transporte e logística: rodoviário, ferroviário, aéreo, marítimo e fluvial.

Maior comercializadora de açúcar e etanol do mundo, a Copersucar tem o propósito de unir o campo e a indústria, conectando usinas a clientes brasileiros e estrangeiros, por meio de uma logística integrada em toda a cadeia de negócios. Na Safra 2019-2020, a Receita Operação Líquida (ROL) registrou recorde ao superar a marca dos R﹩ 30 bilhões, uma evolução nos resultados operacionais que foi acompanhada da manutenção de uma política de alongamento do perfil da dívida com vencimentos de longo prazo em patamares superiores a 80%. Pela primeira vez, a companhia atingiu o volume de vendas de 5 bilhões de litros de etanol de origem brasileira, totalizando 14,2 bilhões de litros no mercado global (+2,3%), na combinação com as vendas de etanol de origem americana. A empresa ainda comercializou 3,7 milhões de toneladas de açúcar diretamente e, através da Alvean, mais de 10 milhões de toneladas do produto para outros países, atingindo 32% de participação nas exportações brasileiras da commodity, confirmando a sua liderança mundial. Como resultado, o lucro líquido alcançou R﹩ 119 milhões.

Para João Roberto Teixeira, presidente executivo da Copersucar S/A, este rendimento é fruto a consolidação de um ciclo de dez anos de investimentos em logística, armazenamento e internacionalização das atividades da Copersucar No último biênio, foram aplicados mais de R﹩ 167 milhões com o objetivo de expandir a presença da companhia no mercado global, ampliando a oferta de açúcar e de etanol, fortalecendo a estrutura logística e internacionalizando as operações, por meio de participações acionárias e de um eficiente sistema de parcerias. "O desenvolvimento da atual plataforma global de negócios da companhia envolveu a aquisição e construção de terminais de etanol no Brasil e nos Estados Unidos, criação de um sistema dutoviário, além de investimentos na comercialização de açúcar no mercado internacional e em tecnologia e inovação agrícola (CTC)", comenta o executivo.

Outro ponto fundamental para o sucesso da companhia na última safra, passa pela fixação adequada dos seus contratos, aproveitando a flexibilidade das suas usinas para produção tanto de açúcar quanto de etanol, maximizando o aproveitamento da sua estrutura logística e de armazenamento direcionados à exportação.

A sustentabilidade é outro pilar que está no centro da estratégia de negócios da Copersucar, desde as tomadas de decisões do comando da companhia, por meio de um comitê mensal de sustentabilidade, como em cada unidade de negócios. A empresa procura avançar em soluções que combinem eficiência operacional e redução de emissões gases de efeito estufa.

Neste horizonte, a ampliação de uso de ferrovias e dutos ganha força na composição logística da companhia. Na Safra 2017-2018, cerca 56,5% do açúcar era carregado por trens. Desde então, a participação dos trilhos cresceu quase 12 pontos percentuais, atingindo 68,2% na safra passada (2019-2020). Ao avaliar o etanol, na última safra, dos 800 milhões de litros de combustíveis movimentados diretamente pela Copersucar no mercado doméstico, cerca de 720 milhões foram distribuídos por dutos (90%). Com o aumento considerável na produção de etanol na última safra, a participação dos dutos cresceu mais de 50 pontos percentuais nos últimos dois anos, de 39% na safra 2017-2018 para 90% no último período.

Para o futuro próximo, o objetivo é ampliar as conexões dutoviárias com a refinaria da Petrobras (REPLAN), localizada em Paulínia, e desenvolver uma base ferroviária dentro da Opla, joint venture com a BP. Esse projeto criará as condições logísticas e de infraestrutura necessárias para expansão do transporte ferroviário em direção ao Centro-Oeste. Outra oportunidade em estudo é o desenvolvimento de um novo terminal logístico fora de São Paulo para movimentação de etanol e derivados de petróleo, em parceria com a Ferrovia Norte-Sul, visando aproveitar as sinergias geradas pela nova infraestrutura da Opla.

A Copersucar acredita em um crescimento contínuo na demanda por alimentos no mundo, com os mercados mantendo a demanda por mais açúcar. Além disso, entende que existe uma transição em curso para uma economia de baixo carbono, em que o etanol vem servindo como ponte de transição essencial para um futuro menos dependente de combustíveis fósseis, uma solução já pronta e acessível. As incógnitas para os dois produtos são as barreiras comerciais em outros países e possíveis programas de redução na intensidade de carbono nos transportes que não considerem a contribuição imediata do etanol.

 


Fonte: Assessoria - Retirado do Portal CanaOnline