Clipping

Cosan: lucro líquido cai 16,9% no 1º trimestre; para R$ 205,3 milhões

A Cosan registrou lucro líquido proforma de R$ 205,3 milhões no primeiro trimestre de 2017, queda de 16,9% na comparação com o de R$ 247 milhões alcançado em igual momento de 2016. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado proforma somou R$ 1,096 bilhão entre janeiro e março, frente a R$ 1,143 bilhão um ano antes (menos 4,1%).

A receita líquida da Cosan chegou a R$ 11,60 bilhões nos primeiros três meses do ano, queda de 1,8%. O capex ficou em R$ 639 milhões no trimestre, ante R$ 599,3 milhões em 2016, avanço de 6,6%. Já a dívida líquida caiu 16,4% entre os períodos, para R$ 9,39 bilhões. Com isso, a alavancagem, medida pela relação dívida líquida/Ebitda, fechou em 31 de março em 2 vezes, ante 2,5 vezes em igual data do ano passado.

Por unidade de negócio, a Raízen Combustíveis, joint venture da Cosan com a Shell, registrou Ebitda ajustado de R$ 681,8 milhões no trimestre (mais 16,5%). As vendas de combustíveis avançaram 1,3% no trimestre, para 6,11 bilhões de litros. “A Raízen Combustíveis segue com desempenho acima da média de mercado e com foco no relacionamento de longo prazo com rede de postos revendedores”, destacou a Cosan, em balanço.
Em relação à Raízen Energia, do setor sucroenergético, o Ebitda ajustado caiu 35,7%, para R$ 751,5 milhões. A empresa fechou o trimestre, o último da safra 2016/17, com moagem total de 59,4 milhões de toneladas de cana-de-açúcar na temporada, queda de 5%. O recuo reflete, basicamente, a menor produtividade agrícola (80 toneladas por hectare em 2016/17 contra 89 t/ha em 2015/16), afetada pelo menor volume de chuvas, explicou a empresa. A Raízen Energia encerrou o ciclo com estoques de 216 mil toneladas de açúcar (mais 323,5%) e 179 milhões de litros de etanol (mais 11,2%).

Já a Comgás teve Ebitda normalizado de R$ 384,3 milhões no trimestre (+18,9%), enquanto a Moove, de lubrificantes, registrou Ebitda de R$ 43,3 milhões (+67,4%).

Guidance
A Cosan reafirmou seu guidance e prevê receita líquida proforma de R$ 45 bilhões a R$ 48 bilhões em 2017, contra R$ 47 bilhões em 2016. Já o Ebitda proforma deve variar de R$ 4,75 bilhões a R$ 5,25 bilhões, ante R$ 4,50 bilhões no ano passado. Quanto à Raízen Energia, a perspectiva é de moagem entre 59 milhões e 63 milhões de toneladas em 2017/18.

A Cosan é um conglomerado empresarial com atuações nas áreas de energia, logística, infraestrutura e gestão de propriedades agrícolas. Especificamente para área de cana-de-açúcar, a Raízen Energia possui 24 usinas, com capacidade instalada para moer mais de 60 milhões de toneladas por safra.


Fonte: Estadão Conteúdo