Clipping

Cota adicional de açúcar para os Estados Unidos é bem vinda, diz Bolsonaro

Postado em 28 de Setembro de 2020

Presidente reconheceu que é pouco representativa para a balança comercial, mas é um sinal do bom relacionamento do Brasil com os americanos

O presidente Jair Bolsonaro classificou como bem-vinda a notícia de que o governo dos Estados Unidos liberou uma cota adicional de 80 mil toneladas de açúcar do Brasil, a ser exportada pelos produtores do Nordeste. Ele reconheceu que, para a balança comercial, o número é pouco representativo, mas a decisão é um sinal do bom relacionamento com os americanos para melhorar o ambiente de negócios.

Bolsonaro fez a afirmação durante a transmissão semanal ao vivo pela internet, na quinta-feira (24/9). Destacou que o consumo de etanol caiu por conta da pandemia e o Brasil tem pela frente o que chamou de “supersafra” de cana-de-açúcar. Sendo assim, se as usinas não produzirem o combustível, fabricarão a commodity.

“Se não faz etanol, faz açúcar. E, obviamente, essas 80 mil toneladas que vão importar será exclusivamente da região Nordeste. Para a balança comercial, representa muito pouco, mas é um sinal para aqueles que nos criticam de que temos, sim, um bom relacionamento com os Estados Unidos”, disse o presidente.

Anunciada nesta semana, a cota adicional de açúcar foi uma contrapartida do governo de Donald Trump à renovação de uma cota de importação de etanol americano livre de tarifas por parte do Brasil. Nas redes sociais, Bolsonaro classificou a decisão como o primeiro resultado das negociações bilaterais relacionadas ao setor sucroenergético. Com isso, a cota total de açúcar do Brasil passou de 230 mil para 310 mil toneladas.

"Verdadeiramente sustentável"

Participando da transmissão ao vivo ao lado do presidente Jair Bolsonaro, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou que o carro híbrido brasileiro, movido a etanol e energia elétrica, é o carro “verdadeiramente sustentável”. Ele ressaltou que o veículo elétrico usado em outros países não tem bateria reciclável e a energia elétrica que os abastece provêm de termelétricas a carvão.

Salles disse ainda que o Brasil não é o vilão das discussões sobre emissões de gases de efeito estufa e as mudanças climáticas. “Essa discussão é culpa dos países desenvolvidos, que, durante a revolução industrial, cortaram floresta, usaram madeira, continuaram queimando combustível fóssil enquanto nossa energia é limpa.”

 


Fonte: Globo Rural