Clipping

Crescimento da produção de etanol de milho no País deve continuar forte

Postado em 8 de Novembro de 2019

Em relatório divulgado no dia 31 de outubro, a consultoria INTL FCStone afirma que a oferta de etanol de milho deve seguir em forte alta na safra 2020/2021 na comparação com a expectativa do ciclo 2019/2020 (Foto: Pixabay)

O crescimento da participação do milho na produção de etanol no Brasil é uma tendência que veio para ficar. A avaliação é de Hélio Sirimarco, vice-presidente da SNA. O executivo ressalta que a produção do biocombustível produzido a partir do cereal deve superar os 2 bilhões de litros em 2019 e chegar aos 8 bilhões de litros em nove anos.

“A fatia da produção de etanol de milho na oferta total do biocombustível do País deverá chegar a 8% em 2020 e atingir até 20% em 2028, segundo as estimativas de representantes do setor presentes na 19ª Conferência Internacional Datagro sobre Açúcar e Etanol”, afirmou Sirimarco.

Em relatório divulgado no dia 31 de outubro, a consultoria INTL FCStone afirma que a oferta de etanol de milho deve seguir em forte alta na safra 2020/2021, na comparação com a expectativa do ciclo 2019/2020. “O aumento é baseado na ampliação da capacidade produtiva, tanto por meio da inauguração de novas destilarias, em 2019 e em 2020, quanto pela expansão do potencial atual”, indicou a empresa no documento.

Em relação a possíveis impactos nas cotações com o aumento do uso do cereal para a produção do biocombustível, Sirimarco explica que o preço do milho é determinado por vários fatores, não só pela demanda interna. “Além disso, é importante ressaltar que o esmagamento do milho não resulta somente na produção do etanol, mas também do DDGS, um concentrado proteico extraído durante o processo de destilação que pode ser uma alternativa economicamente viável para a alimentação animal nas regiões em que o cereal apresenta preço baixo. Devido ao seu alto teor em energia, fósforo e aminoácidos em comparação com o milho, trigo e cevada, se apresenta como uma alternativa nutricional e econômica na substituição destes alimentos na dieta dos animais”, acrescenta.

Mato Grosso se destaca com novas usinas

Sirimarco lembra que o Mato Grosso, estado que se destaca na produção do biocombustível feito com milho, tem 12 usinas de etanol, sendo sete exclusivamente de cana, três de cana e milho e duas que usam somente milho. E o número deve aumentar. Sirimarco conta que o presidente do Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras do Estado de Mato Grosso (Sindalcool/MT), Silvio Pereira Rangel, já anunciou que cinco novas usinas exclusivas de milho serão inauguradas até 2021 e unidades de grupos tradicionais de cana, como a Barrálcool e a Itamarati devem ser transformadas para processar também o grão.

Segundo Guilherme Nolasco, presidente da União Nacional do Etanol de Milho (Unem), Mato Grosso deve se consolidar como o maior produtor brasileiro de etanol de milho. A produção deverá acompanhar o aumento estimado da produção do cereal, que deverá passar de 31 milhões de toneladas na última safra, para 52.2 milhões de toneladas em 2028.

Mercado da cana-de-açúcar

O vice-presidente da SNA também afasta a possibilidade de impactos mais relevantes dessa nova tendência para os produtores de cana. “O mercado da cana-de-açúcar não é influenciado só pelo etanol. Na realidade, o que mais pesa é o comportamento do preço do açúcar, principalmente no mercado internacional”, ressalta.

Segundo a FAO (agência da ONU para alimentação e agricultura), a produção global de açúcar deve cair 2,80%, para 175.1 milhões de toneladas, em 2019/20, ante uma redução do consumo de 1,40%, para 177.5 milhões de toneladas no período. Isso significará um déficit global de cerca de 2.4 milhões de toneladas. O índice de preços do açúcar da FAO ficou em média em 178,3 pontos em outubro, alta de 5,80% na comparação com setembro.

Com a expectativa de alta nos preços do açúcar no mercado internacional, a parte do álcool no mix de produção da cana no Centro-Sul brasileiro, principal região produtora, deve cair. De acordo com o relatório da INTL FCStone, a fatia do processamento da cana voltada para a produção de açúcar aumentará de 34,60% para 37,40% na comparação da safra 2019/2020 com 2020/2021. A estimativa da consultoria é de que a produção de açúcar no Centro-Sul deve ficar em 28,5 milhões de toneladas em 2020/2021, aumento de 8,80% em relação à safra anterior, com 26,2 milhões de toneladas.

 


Fonte: Site SNA