Clipping

Demanda global por produtos agrícolas deve desacelerar

O crescimento da demanda global por commodities agrícolas vai diminuir consideravelmente nos próximos 10 anos comparado à década passada, o comércio internacional vai avançar menos e os preços da maioria dos produtos agrícolas e pescados devem ter ligeira tendência de baixa. 
 
A projeção consta do Relatório de Perspectivas Agrícolas 2017-2026, elaborado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e pela FAO, agência da ONU para Agricultura e Alimentação. Isso sinaliza redução no ritmo dos ganhos do setor no Brasil, grande produtor e exportador, em relação aos últimos anos, e que a expansão das vendas à China tende a ser menor do que desejada.
 
Na última década houve um crescimento sem precedentes na demanda por produtos agrícolas, impulsionado pelo maior consumo de carnes e pescado na China, de quase 6% ao ano, e pelo avanço dos biocombustíveis, que elevou o uso de insumos em 8% ao ano.
 
No período 2017-26, a China continuará a contribuir para a demanda de várias commodities agrícolas, mas o ritmo menor de crescimento do consumo reduzirá a taxa de expansão da demanda global por esses produtos. Isso se explica pelo menor avanço da renda e pela propensão das famílias chinesas a não fazer maior gasto adicional com alimentos. Já a evolução do mercado de biocombustíveis depende de políticas de governos e do preço do petróleo.

Para OCDE e FAO, o cenário atual não permite antecipar mercados no mesmo ritmo no médio prazo, e nem há fontes alternativas para substituí-los no momento. Assim, para a maioria das commodities, incluindo cereais, carnes, pescado e óleos vegetais, a taxa de crescimento da demanda cairá pela metade. A desaceleração será forte para o óleo vegetal, cuja demanda cresceu na década passada em parte impulsionado pelos biocombustíveis.
 
No caso do açúcar, o crescimento da demanda global cairá apenas moderadamente, na medida em que o aumento no consumo per capita vai contribuir tanto quanto o incremento da população.
 
Globalmente, a demanda per capita por cereais deve ficar estável, diz o relatório, com alta apenas nos países menos desenvolvidos. As perspectivas de aumento para as carnes são limitadas considerando recentes tendências de dieta alimentar, baixa renda e problemas na oferta. Assim, o consumo de calorias e proteínas adicionais deve vir de produtos como óleo vegetal, açúcar e lácteos.
 
Uma exceção são os produtos lácteos, com previsão de alta no ritmo do consumo, especialmente em países como Índia e Paquistão. 
 
De acordo com o relatório, a desaceleração no mercado de biocombustíveis deverá reduzir a taxa de crescimento da demanda por milho. E a evolução do rendimento continuará a ser o motor da produção global. A expansão de área para milho, por exemplo, será de apenas 10% no mundo, impulsionada principalmente pela América Latina. Já a área com o milho na América do Norte deve diminuir.
 
O comércio agrícola internacional continuará a crescer, mas igualmente em ritmo menor do que no passado, segundo OCDE e FAO. O menor crescimento esperado é para cereais e oleaginosas, que representam juntos 45% do valor do comércio agrícola internacional, além de carne suína e leite em pó. Há previsão de ligeiro aumento no comércio internacional de açúcar refinado, carne de ovelha, manteiga e algodão. 
 
Sempre conforme o relatório, as exportações agrícolas seguirão concentradas em poucos fornecedores, como Brasil, Estados Unidos, Argentina, Austrália, UE. Brasil e EUA continuarão a dominar as exportações de soja, com 80% do total.
 
Os EUA têm ainda um terço dos embarques de algodão. Em alguns mercados, a concentração é menor. O Brasil tem 20% do mercado internacional de carne bovina, mesma fatia que a União Europeia tem no comércio de trigo.
 
Com mudanças nas condições de oferta e demanda, o preço real da maioria das commodities agrícolas e pescado deve ter ligeira queda, prevê o relatório. Na próxima década, os preços de cereais, lácteos e óleo vegetal devem ficar estáveis ou um pouco abaixo dos atuais níveis.
 
Os preços de carnes devem cair em termos reais nos próximos anos a níveis similares aos do começo dos anos 2000. Isso em razão de expansão da produção, enquanto o crescimento da demanda desacelera graças ao menor apetite na China e à ausência de outros países em desenvolvimento como alternativa.
 
Para o milho, a expectativa é de declínio no longo prazo, cerca de 1,5% por ano. Para o algodão, OCDE e FAO esperam baixa de menos de 1% por ano, em razão do persistente estoque elevado. No caso do açúcar, a projeção é de queda de 2% por ano em termos reais. Para os lácteos, o relatório prevê um cenário misto, com ligeira alta para manteiga, mas queda para o queijo. No caso do etanol, a expectativa é que os preços se mantenham, mas pode haver baixa no biodiesel. A questão, sublinha o relatório, é se os preços mais baixos vão levar a uma redução nos investimentos no setor agrícola.

Fonte: Valor Econômico