Clipping

Empresas do setor são homenageadas por doação ao Hospital do Câncer de Barretos

Na última semana (26/05), em cerimônia realizada no Hospital do Câncer de Barretos (HCB), no interior de São Paulo, as usinas Guarani, São José da Estiva, Virálcool, Pitangueiras – associadas à União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA) –, Jalles Machado, Iacanga e Santa Isabel receberam placas comemorativas por participarem do Projeto Energia do Bem, que desde 2012 tem ajudado o HCB a economizar, por ano, mais de R$ 1 milhão de reais em sua conta de luz.

Em cinco anos, graças à ação solidária destas sete empresas sucroenergéticas, foram doados 10.054 MWh de bioeletricidade gerada a partir da biomassa da cana (palha e bagaço) à instituição referência em tratamentos oncológicos e que, diariamente, realiza mais de 6 mil atendimentos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Atualmente, o volume entregue pelo Projeto, uma iniciativa da gestora e comercializadora Comerc Energia, corresponde a até 20% das necessidades anuais por energia elétrica - cada MWh fornecido sem custo representa uma economia de R$ 250,00 para o hospital.
Presente no evento realizado em Barretos, e que teve uma palestra especial do ex-jogador e técnico de voleibol, Bernardinho, o gerente em Bioeletricidade da UNICA, Zilmar de Souza, destaca que além do papel social, a bioeletricidade produzida da cana também tem um forte potencial econômico-ambiental.

“No Brasil, todas as unidades sucroenergéticas são autossuficientes em eletricidade durante a safra e quase metade delas exportou excedentes para a rede em 2016. Trata-se uma energia localizada no coração do sistema elétrico, evitando perdas em transmissão, dada a proximidade das usinas com os centros urbanos, e que reduz as emissões de poluentes por ser gerada a partir de uma fonte renovável”.

Em 2016, a oferta à rede pelo setor sucroenergético foi de 21 TWh, equivalente a ter provido o atendimento a 11 milhões de residências ao longo do ano e evitado a emissão de 9,3 milhões tCO2, marca que somente seria atingida com o cultivo de 65 milhões de árvores nativas por 20 anos.


Fonte: UNICA