Clipping

Entidades defendem uso do etanol

Postado em 21 de Agosto de 2020

Combustível fundamental para a matriz limpa brasileira, o etanol foi tema de um encontro importante. Ontem, em Brasília, entidades do setor se reuniram no Fórum Nacional Sucroenergético e defenderam o uso do etanol para uma melhor sustentação no meio ambiente, pois ele não é um combustível fóssil, e na mobilidade urbana. No encontro, estavam presentes os presidentes dos sindicatos do álcool de diversos estados do Brasil, além do vice-presidente, Hamilton Mourão.

De acordo com o presidente do Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool de Pernambuco (Sindaçúcar-PE) e vice-presidente do Fórum, Renato Cunha, as entidades defenderam o etanol de forma ambiental. "O etanol se coloca como um combustível limpo para o meio ambiente e é uma grande alternativa de mobilidade veicular. Colocamos o nosso setor à disposição do governo para tratar da defesa desse combustível", disse Renato.

Além disso, as entidades conversaram sobre a melhor taxação dos créditos de descarbonização (CBios). "Agora, o CBio tem taxação isonômica quanto ao imposto de renda que é cobrado dos títulos financeiros. Antes, a taxação era de mais de 40% e agora é de 15%. O valor anterior afasta o investidor que compra o título. E agora o etanol pode ganhar impulso no mercado financeiro", destacou Renato.

Ainda durante o Fórum, os representantes dos sindicatos trataram da cota de importação do etanol dos Estados Unidos, que pode prejudicar o produtor do Nordeste. O país norte-americano quer exportar ainda mais etanol para o Brasil sem taxação. "Apresentamos nossas defesas a Mourão e ele se mostrou atualizado e disse que estava em linha com o Ministério da Agricultura. A ideia é dividir as tarefas e gerar sensibilidade quanto ao tema", disse Renato Cunha.

Estavam no encontro André Rocha, presidente do Fórum, Pedro Robério, presidente do Sindaçúcar de Alagoas, além dos representantes dos sindicatos do álcool do Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte, Piauí, Maranhão e Pará.

 


Fonte: Folha de Pernambuco