Clipping

Entre altas e baixas, Biosev ganha R$ 2 bi

Apesar da forte correção registrada ontem na B3, o valor de mercado da Biosev, controlada pela francesa Louis Dreyfus Company (LDC), já aumentou quase US$ 2 bilhões desde que anunciou a venda da Usina Estiva, em Arez (RN), há pouco mais de um mês. Depois de altas expressivas, ontem os papéis da companhia recuaram 10,3% e o valor de mercado fechou em R$ 4,5 bilhões, ainda 75% mais que no dia 21 de setembro.

Também houve forte crescimento da quantidade de papéis negociados nos últimos dias. Embora a Biosev só tenha atualmente 6% de seu capital na B3, o número de ações em circulação alcançou 548.200 na terça-feira. Foi o maior volume registrado desde 20 de fevereiro, quando analistas da área de investimentos do Banco do Brasil recomendaram a compra dos papéis da sucroalcooleira.

Nesta semana, voltaram a circular no mercado rumores de que a Biosev pretende vender mais uma de suas usinas. Em meio às especulações, a quantidade de papéis negociados esta semana supera com folga a média do ano até então – 54.867 por dia.

A Usina Estiva foi vendida por R$ 203,6 milhões, em 20 de setembro, para a Biosev reforçar se caixa e pagar parte das dívidas. No fim do primeiro trimestre da safra 2018/19 (30 de junho), a empresa tinha uma dívida de R$ 567 milhões no curto prazo. Mas, segundo fontes do mercado, a Biosev precisará vender mais ativos para reduzir sua alavancagem (dívida líquida sobre Ebitda), que estava em 2,9 vezes no fim do último trimestre.

Na última quarta-feira, a Biosev admitiu que está avaliando a venda da Usina Giasa, no município Pedras de Fogo (PB), em resposta à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) após questionamento da B3 a respeito de uma matéria do "O Estado de São Paulo". No entanto, a companhia garantiu que não há nenhuma proposta vinculante até o momento e que o assunto não foi submetido a seu conselho de administração.

A companhia confirmou que contratou a Datagro para prestar serviço de consultoria financeira para a venda da Usina Giasa, mas negou que tenha conversado ou contratado o Santander Brasil para a realização de negociações.

A Biosev esclareceu, ainda, que "dará continuidade ao seu programa de competitividade operacional, que inclui a análise e revisão de potenciais alternativas estratégicas relacionadas a todo o seu portfólio de ativos".

Por Camila Souza Ramos

 


Fonte: Valor Econômico