Clipping

Etanol: a logística de distribuição do biocombustível de cana-de-açúcar

Postado em 5 de Março de 2020

Na reportagem anterior, mostramos o processo de produção do etanol; agora, iremos apresentar a sofisticada logística de distribuição do biocombustível de cana-de-açúcar para abastecer os mercados doméstico e internacional.
Antes de chegar aos postos de combustível do país ou ao Porto de Santos (SP), onde é embarcado em navios rumo ao exterior, o etanol que sai das Usinas Sócias da Copersucar e é comercializado pela companhia tem de passar, obrigatoriamente, pelas bases das distribuidoras, como BR e Ipiranga, por exemplo.

Exportação

Dos 270 mil m³ de etanol produzidos nas Usinas Sócias destinados à exportação brasileira na Safra 2019/2020, que termina em 31 de março, a Copersucar irá movimentar 240 mil m³. O transporte desse volume, da usina diretamente ao terminal portuário, é 100% rodoviário, o que significa cerca de 5.300 viagens de caminhão, considerando veículos com capacidade de 45 m³. Atualmente, o principal cliente da companhia é os Estados Unidos (confira o fluxo abaixo).

Mercado interno

Para abastecer o mercado interno, a logística é feita tanto pela Copersucar quanto pelas próprias distribuidoras, responsáveis por transportar 3,9 milhões de m³ dos 4,7 milhões de m³ de etanol da Copersucar e suas Usinas Sócias destinados ao consumo doméstico na Safra 2019/2020. O fluxo é o mesmo, o que muda é a empresa responsável pela operação. A movimentação é rodoviária, com caminhões, e dutoviária, por meio de dutos.

Dos 800 mil m³ que a Copersucar irá comercializar até o fim da atual safra, estima-se que 720 mil m³ sejam via Logum Logística, empresa da qual a Copersucar é uma das sócias e que faz a distribuição por dutos, e 80 mil m³ sejam via caminhões, diretamente para as distribuidoras e/ou clientes (confira o fluxo abaixo).


Fonte: Copersucar