Clipping

Etanol como alternativa para redução de emissões chama atenção de jovens na Índia

Postado em 14 de Fevereiro de 2020

Os jovens do mundo inteiro têm, cada vez mais, usado o poder da coletividade, impulsionado pelas redes sociais, para liderar campanhas e ações ambientalmente amigáveis. E, preocupados com o “futuro do planeta”, desafiam governos, empresas e tomadores de decisão a agirem para garantir um futuro sustentável.

Levantamento do Departamento de Assuntos Econômicos e Socias da Organização das Nações Unidas (ONU) aponta que quase um quarto da população mundial é formada por jovens com idade entre 15 e 29 anos, concentrados principalmente nos países em desenvolvimento.

Priyanka Kochhar está entre os 1,8 bilhão de jovens preocupados com o futuro do planeta. A influencer digital tem mais de 400 mil seguidores em uma rede social e aproveita a audiência para fazer diferente. Além de ser uma das únicas mulheres na Índia a falar sobre carros e motos, Priyanka não perde oportunidades de defender questões ambientais.

“Estamos poluindo o planeta todos os dias. Piloto diariamente carros e motos e me sinto culpada por jogar toda essa sujeira na atmosfera. Precisamos de soluções sustentáveis para reduzir a poluição e vejo no etanol uma oportunidade para a Índia”, destacou Priyanka durante o Auto Expo 2020, maior exposição automobilística da Ásia, realizada entre os dias 07 e 12 de fevereiro, em Greater Noida, Índia, a cerca de 30 km da capital, Delhi.

A percepção sobre o biocombustível também é compartilhada pelos estudantes de engenharia Garvit Sukhija (19)  e Harsh Lamba (20), do Birla Institute of Technology and Science.

“A Índia é um dos países mais populosos do mundo e usa bastante combustível fóssil. O etanol seria a melhor solução para nós por possibilitar a redução das emissões, além de ser viável do ponto de vista de infraestrutura e economicamente”, disse Garvit Sukhija ao visitar o estande da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA) no Auto Expo.

“Então, com certeza, com o etanol o céu será azul novamente”, brincou Harsh Lamba ao mencionar a campanha Bring Back My Blue Sky, destacada no espaço montado pela UNICA.

Bring back

Durante o evento, a entidade apresentou a campanha Bring Back My Blue Sky, lançada durante a 25ª Conferência das Partes sobre a Mudança do Clima (COP 25), em Madri, com objetivo de mostrar os resultados positivos do uso do etanol no Brasil, especialmente para a qualidade do ar nos grandes centros urbanos, a exemplo do estado de São Paulo

“São Paulo teve no passado, sobretudo pelo uso de combustíveis fósseis, o céu azul apagado do seu horizonte, substituído por nuvens de fumaça que além de deixar a cidade mais sombria, trazia prejuízos sociais e econômicos graves. O etanol ajudou a trazer o céu azul de volta para São Paulo e para as grandes metrópoles brasileiras. Vamos apresentar o etanol para o mundo e, com isso, contribuir para que as pessoas mundo afora também possam dizer “Bring Back My Blue Sky”, disse o presidente da UNICA, Evandro Gussi, no lançamento da campanha.

Juventude

Cerca de 60% dos 600 mil visitantes que passaram pela 15ª edição da Auto Expo têm até 30 anos. Além de compartilhar a experiência brasileira com o uso de etanol combustível e mostrar as vantagens para melhoria da qualidade do ar, a UNICA encontrou no salão do automóvel indiano uma oportunidade de falar com o público jovem, com quem a pauta ambiental tem maior apelo.

“Fiquei realmente impressionada com a quantidade de jovens que passaram pelo nosso estande e a curiosidade e interesse deles pelo tema. No momento em que percebiam que estamos tratando de um assunto que está diretamente ligado à melhoria da qualidade do ar, e redução de emissões, vinham super interessados em entender nossa proposta. Ficaram felizes pela possibilidade de aumentar a mistura do etanol na gasolina e com o impacto positivo que isso pode ter já nos próximos anos”, contou Júlia Tausig, relações institucionais da UNICA.

De acordo com o diretor executivo da entidade, Eduardo Leão, o evento impressiona por uma série de fatores: seja pela diversidade de automóveis e marcas apresentadas, seja pelo número de visitantes e jovens que participam do evento.

“E é exatamente esse público que nós queremos atingir com as mensagens que estamos trazendo aqui sobre o etanol. O etanol é capaz de melhorar a qualidade do ar, traz um benefício muito grande para a redução das emissões de gases de efeito estufa, além de ajudar a economia da india e a ideia é que nós tragamos o exemplo que o Brasil há mais de quarenta anos tem com o uso de etanol em larga escala, seja na mistura da gasolina com 27%, seja no etanol com os carros flex e compartilhar essa experiência com os indianos. Esse é o principal motivo que nos trouxe aqui a Greater Noida”, explicou o executivo.

Poluição no mundo

Estimativa da Organização Mundial de Saúde (OMS) revela que a poluição atmosférica provoca cerca de sete milhões de mortes, todos os anos, no mundo inteiro. De acordo com a organização, nove a cada dez pessoas no mundo respiram ar poluído.

De acordo com os relatórios, a poluição causa 24% de todas as mortes de adultos por doença cardíaca, 25% das mortes por acidente vascular cerebral (AVC), 43% das mortes por doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) e 29% das mortes por câncer de pulmão.

A maior parte das mortes atribuídas à poluição do ar tem ocorrido no leste da Ásia e no Pacífico (40%) e regiões do sul da Ásia (33%), segundo levantamento do Banco Mundial, intitulado The Cost of Air Pollution.

Matriz energética

Segundo a Agência Internacional de Energia (AIE), o Brasil tem a matriz energética mais limpa entre os grandes consumidores globais, com a maior participação de energias renováveis.

Pouco mais de 45% da energia produzida no país é renovável. Para se ter uma ideia, esse percentual representa mais que o triplo da média mundial. E a cana-de-açúcar é a principal fonte de energia sustentável do Brasil, responsável por 17,4% da matriz energética nacional.

Em 16 anos, o uso de etanol puro nos tanques dos carros dos brasileiros, mais a mistura obrigatória de 27% do biocombustível à gasolina, transformou o céu do país. Nesse período, 535 milhões de toneladas de CO2 deixaram de emitidos. Esse valor representa as emissões anuais de CO2 da Polônia, ou ainda, equivalente à soma das emissões totais de Argentina, Peru, Equador, Uruguai e Paraguai.

Na semana passada, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) lançou a versão 2019 do Relatório sobre a Lacuna de Emissões (Emissions Gap – Report 2019), que aponta que o Brasil progrediu no setor de energia. De acordo com o documento, o entre 2015 e setembro de 2019, o mercado favoreceu as energias renováveis.

O Relatório destaca também que a produção de etanol no Brasil, com o lançamento da nova Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio), será ampliada e, com isso “o país provavelmente atenderá às metas mencionadas na NDC brasileira para o setor de transportes”, diz trecho do documento.

 


Fonte: UNICA