Clipping

Etanol tem cenário positivo para 2021 e usinas da Paraíba estão preparadas para abastecer o mercado

Postado em 29 de Janeiro de 2021

Em 2021, as perspectivas para o etanol estão favoráveis. Tendências mundiais apontam que as organizações, governos e consumidores estarão mais atentos às questões climáticas e ambientais. O cenário abre cada vez mais espaço para uma alternativa ao uso dos combustíveis fósseis, que são grandes poluidores do ar. Na Paraíba, o etanol, um biocombustível renovável e limpo, é produzido por usinas devidamente certificadas que fazem parte de uma cadeia sustentável que começa desde o campo e vai até a entrega do etanol aos distribuidores, postos revendedores e consumidores.

As usinas da região têm se esforçado para conseguir ganhos de produtividade e aproveitamento dos recursos naturais com equilíbrio e preservação. A previsão para este ano é a produção de 300 milhões de litros de etanol. O mercado local também será abastecido pelo produto excedente de outras regiões.

Segundo o presidente do Sindicato da Indústria de Fabricação do Álcool do Estado da Paraíba (Sindalcool-PB), Edmundo Barbosa, as políticas públicas de incentivo vão impulsionar o etanol. “A política nacional de biocombustíveis veio para financiar o aumento da produção e a redução de preços aos consumidores. Depois de vários anos com prejuízos aos produtores do Nordeste, causados por importações de etanol e prática de preços no mercado interno, o ano de 2020 trouxe melhor rentabilidade na produção do açúcar, ajudando na retomada de investimentos das empresas”, disse Edmundo.

Atualmente, o setor se recupera de uma redução de vendas provocada pela pandemia. Ainda segundo o presidente do Sindalcool-PB, na retomada, a alta do petróleo e a conscientização do consumidor tornarão o etanol ainda mais atrativo. “Nos anos recentes, os consumidores trocaram o combustível pelo etanol e perceberam as suas vantagens. O percentual crescente de abastecimento com etanol se manteve durante todo o ano de 2019, em relação a 2018. Já em 2020, o consumo despencou devido à pandemia. Em 2021 e nos próximos anos, o consumidor poderá respirar mais aliviado, pois devem ser cumpridas as metas obrigatórias do Conselho Nacional de Política Energética para vendas crescentes de etanol e outros biocombustíveis”, afirmou Edmundo.

Usinas paraibanas visam mercado dos Estados Unidos

Além de abastecer o mercado interno, as usinas paraibanas atuam no mercado internacional. Algumas empresas já conseguiram a certificação para a exportação de etanol da Paraíba para o estado da Califórnia, nos Estados Unidos, que tem incentivos para o consumo do etanol. A gestão do novo presidente norte-americano Joe Biden, que mostra sensibilidade às questões ambientais e não é aliado da indústria do petróleo, deve estimular a adição de 15% de etanol na gasolina em todos os estados norte-americanos, o que traz otimismo para os empresários do setor na Paraíba.

O Brasil tem mais de 45 mil postos revendedores com etanol disponível. O desafio das usinas para os próximos anos é aumentar a produção e produtividade e melhorar a comunicação com o consumidor.

“Queremos estabelecer melhor comunicação com a sociedade, com consumidores e revendedores. Temos obtido sucesso no esclarecimento de mitos e benefícios do etanol. Etanol é biológico e poucas pessoas sabem. Etanol é a energia solar convertida em energia renovável líquida. A tecnologia das células combustível a hidrogênio trará maior consumo de etanol. Muitas montadoras já têm modelos de automóveis abastecidos com esse combustível, cujas emissões são somente água. Os consumidores vão utilizar 30 litros de etanol para percorrer 600 quilômetros. O etanol é um futuro melhor desde já”, acrescentou o presidente do Sindalcool-PB, Edmundo Barbosa.

 


Fonte: Assessoria - retirado do Portal Paraiba online