Clipping

Experimentos e convênios subsidiam manejo varietal da Pedra Agroindustrial

Trabalho criterioso de alocação de materiais de grupo sucroenergético paulista será um dos destaques do 11º Grande Encontro sobre Variedades de Cana-de-Açúcar
 
A condução de experimentos internos e a realização de convênios com os principais programas de melhoramento genético (Ridesa, CTC e IAC) estão entre as medidas adotadas pelo Grupo Pedra Industrial visando a avaliação constante de novos materiais, disponibilizados pela pesquisa, e a alocação de variedades da maneira mais assertiva possível.    

O manejo varietal é considerado prioridade pelo grupo. “É um dos fatores principais no processo da produção agrícola. Se houver erro nesta etapa, as consequências ocorrerão por muito tempo, ao longo do ciclo”, afirma o engenheiro agrônomo Sérgio Medeiros Selegato, que é coordenador técnico agronômico corporativo da Pedra Agroindustrial.
 
As experiências das três usinas da empresa nessa área serão detalhadas por Sérgio Selegato na palestra “Manejo Varietal do Grupo da Pedra”, que é um dos destaques da programação do “11º Grande Encontro sobre Variedades de Cana-de-Açúcar”, que será realizado pelo Grupo IDEA nos dias 27 e 28 de setembro em Ribeirão Preto, SP.
 
O trabalho de avaliação e alocação de variedades na Pedra Agroindustrial não é dos mais fáceis. O grupo possui 150 mil hectares de cana distribuídos em diferentes ambientes de produção em áreas das usinas da Pedra, em Serrana; Buriti, em Buritizal e Ipê, em Nova Independência. As três unidades estão localizadas no estado de São Paulo.
 
Existem diversos fatores que precisam ser considerados no manejo varietal no Grupo da Pedra em decorrência da extensa área de plantio anual de cana, que totalizou 25 mil hectares na última reforma, de acordo com Sérgio Selegato. O índice de renovação oscila, anualmente, entre 15% a 20% do total da área de cana.    

A Pedra Agroindustrial tem uma equipe agrícola que conduz experimentos internos de competição varietal nas três usinas, ou seja, compara o desempenho de variedades já consagradas com as recém lançadas – explica. Segundo ele, ocorre sempre uma avaliação se é compensador substituir variedades já utilizadas por materiais mais novos.
 
Os convênios com programas de melhoramento genético possibilitam o desenvolvimento de trabalhos de pesquisa em terras das usinas do grupo, que também fornecem subsídios para as decisões referentes ao manejo varietal.
 
Outra preocupação – diz o coordenador técnico agronômico da Pedra Agroindustrial – é estar sempre informado sobre o assunto a partir de conversas com outras usinas, inclusive unidades vizinhas, para verificar o que elas têm feito nessa área. “Essa integração com o setor, com programas de melhoramento e a participação em eventos técnicos traz bastante informação para ser o mais assertivo possível na alocação de variedades”, enfatiza.
 
Durante a apresentação do case de sucesso da Pedra Agroindustrial no 11º Grande Encontro sobre Variedades de Cana-de-Açúcar, do Grupo IDEA, Sérgio Medeiros Selegato vai falar das variedades mais utilizadas pelo grupo, como a CTC 4, que é o carro chefe da empresa. A RB966928 e a IAC 91-1099, que mantêm bons resultados, são outros destaques nos canaviais das três unidades do grupo.
 
Entre os materiais novos, ele demonstrará os benefícios proporcionados pela RB975201 e a CTC 9001, além de dois clones, em áreas de cana da Usina Ipê, que possui clima seco e solo mais fraco. Apesar das condições edafoclimáticas menos favoráveis, essa unidade tem apresentado a melhor produtividade agrícola do grupo: em torno de 90 toneladas por hectare (TCH).
 
O trabalho criterioso de manejo, na Pedra Agroindustrial, tem avaliado quais variedades devem ser substituídas. Uma delas é a RB867515, que é ainda bastante plantada no setor. “O Grupo da Pedra não planta mais essa variedade. Vai chegar uma hora que ela vai sumir dos nossos canaviais”, afirma.
 
Para que o manejo varietal seja bem-sucedido, a Pedra Agroindustrial tem atenção redobrada com a qualidade e o processo de produção de mudas. “Devem ser colhidas na época certa, na idade certa e próxima à área de plantio de cana. Há uma seleção de área com 30% a mais de mudas do que o necessário por conta de qualquer mudança no planejamento, como a alta incidência de raquitismo em determinada área, que passa a ser descartada”, explica Sérgio Selegato que vai abordar, no evento do Grupo IDEA, outros procedimentos que são importantes para a obtenção de resultados positivos no manejo varietal.    

Serviço:

11º Grande Encontro sobre Variedades de Cana-de-Açúcar

Data: 27 e 28 de setembro de 2017          

Local: Centro de Convenções de Ribeirão Preto/SP

Contato: 16 3211-4770

E-mail: eventos@ideaonline.com.br

Inscrições:  CLIQUE AQUI PARA SE INSCREVER
 
 
 
 


Fonte: Assessoria