Clipping

Exportações de biodiesel da Argentina retomam mercado da UE

Postado em 19 de Julho de 2019

Exportações de biodiesel da Argentina estão se recuperando de quase um ano de baixas vendas depois foi alcançado um acordo para reabrir os embarques para a União Europeia, disse o chefe de um grupo da indústria quarta-feira.

O acordo permite que a Argentina exporte 1,2 milhão de t / ano para a UE, com vigência a partir de março de 2019, disse Victor Castro, diretor executivo da Câmara Argentina de Biocombustíveis, ou Carbio, à S & P Global Platts.

O resultado: as exportações passaram de zero nos dois primeiros meses de 2019 para 416.520 toneladas nos primeiros cinco meses, segundo dados do Secretariado da Energia. Embora tenha caído de 622.779 toneladas no mesmo período do ano anterior, o acordo manteve as exportações, disse Castro.

“As exportações começaram de forma mais regular”, disse ele.

Fidel se recusou a fazer uma estimativa de quanto poderia ser exportado neste ano, apenas dizendo que provavelmente seria menor que 1,4 milhão de toneladas em 2018.

No início deste mês, o EconoJournal, um site de notícias sobre energia, informou que as exportações poderiam chegar a 1 milhão de toneladas este ano, citando uma fonte da indústria não identificada.

O principal revés é a impossibilidade de vender para os EUA, antes o principal destino do biodiesel argentino. Em meados de 2017, os impostos de importação foram impostos pelos EUA, tornando não mais economicamente viável para os exportadores argentinos venderem para esse mercado.

A Argentina está apelando da decisão em um tribunal de Nova York, mas não se sabe quanto tempo levará esse processo.

Isso deixa a Argentina com a possibilidade de exportar para a UE e mercados menores, como o Canadá e o Peru, limitando o crescimento da produção e das exportações.

O país exportou um recorde de 1,65 milhão de toneladas em 2017, liderado pelos embarques para os EUA. Isso permitiu que a produção atingisse o recorde de 2,9 milhões de toneladas naquele ano, segundo dados da Secretaria de Energia.

A produção totalizou 923.596 toneladas nos primeiros cinco meses deste ano, abaixo dos 1,1 milhão de toneladas no mesmo período do ano anterior, mostram os dados.

A Argentina consome cerca de 1 milhão de toneladas de biodiesel para uma mistura de 10% de diesel, cuja demanda foi atrofiada em relação ao ano passado, enquanto a economia se contrata pelo segundo ano consecutivo sob inflação e altas taxas de juros. As vendas de diesel caíram 3,1% para uma média de 226.956 b / d nos primeiros cinco meses deste ano, de 234.109 b / d no mesmo período do ano anterior, de acordo com os últimos dados do Secretariado de Energia

 


Fonte: O Petróleo