Clipping

GasBrasiliano e Cocal Energia assinam contrato de compra e venda de biometano do projeto Cidades Sustentáveis após aprovação pela Arsesp

Postado em 21 de Janeiro de 2021

Iniciativa inovadora da primeira cidade com sistema de distribuição exclusivo de biometano no Brasil tem previsão para início em 2022 e deve alavancar o desenvolvimento no oeste paulista

A Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de São Paulo (Arsesp) publicou, em dezembro de 2020, parecer favorável para a execução do projeto Cidades Sustentáveis. Com a aprovação, as empresas envolvidas comemoram este mês a assinatura do contrato de compra e venda de biometano. O projeto, que inclui o plano de construção de planta de biogás, é inovador e foi lançado na Agrishow de 2019 por meio de uma parceria entre a GasBrasiliano, empresa distribuidora de gás natural que atende a região noroeste paulista, a Usina Cocal e a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente (SIMA).

O projeto, que contempla investimento estimado em R$ 160 milhões, sendo R$ 30 milhões da GasBrasiliano para construção de 68 quilômetros de rede de distribuição e R$ 130 milhões da Cocal na produção de biometano, aguardava a aprovação do órgão regulador. Por parte da usina, o empreendimento de construção da planta já está concluído em mais de 70%, demonstrando a total viabilidade do projeto. A previsão para o início da distribuição do biometano a Presidente Prudente é julho de 2022. O potencial de produção da planta é de 24 mil m³/dia de biometano (8,9 MM m³/ano).

Por meio da rede de distribuição que será construída pela GasBrasiliano, o biometano (produzido a partir de vinhaça, palha e torta de filtro - resíduos do processamento da cana-de-açúcar), partirá de Narandiba, cidade onde a Cocal está localizada, e poderá atender residências, comércios, indústrias e veículos leves e pesados (GNV) de Presidente Prudente, além de Pirapozinho, também contemplada no projeto, promovendo diversidade energética, competitividade à indústria e fomento à expansão da rede em regiões mais distantes.

“Estamos muito felizes com a concretização deste projeto que viabilizará a chegada do gás a novos municípios que se encontram distantes do gasoduto de transporte. A região oeste é a que concentra a maior quantidade de usinas sucroalcooleiras de São Paulo e, por meio de uma nova fonte de suprimento renovável, este modelo poderá inclusive ser replicado a outras regiões, contribuindo com o aumento da participação do gás na matriz energética”, afirmou o diretor técnico comercial da GasBrasiliano, Paulo Lucena.

“A demanda por biogás na região do Oeste Paulista tem aumentado significativamente nos últimos anos e, como produzir energia limpa e renovável é uma das frentes do nosso negócio, identificamos uma tecnologia capaz de garantir a produção desse gás por doze meses e não apenas no período de safra”, afirmou o diretor superintendente da Cocal, Paulo Zanetti. Ainda segundo ele, a produção constante será benéfica para a sociedade e para o meio ambiente, pois oferecerá uma nova fonte de energia limpa para consumo, contribuirá para o desenvolvimento regional e garantirá uma destinação nobre para os resíduos industriais.

“O projeto “Cidades Sustentáveis” vai explorar mais uma vertente energética da cana-de açúcar ao transformar a vinhaça, que é um rejeito, em biometano. Essa solução vem ao encontro da política energética do Governo do Estado que busca conciliar desenvolvimento regional com geração de emprego, renda, com sustentabilidade socioeconômica e ambiental”, afirmou o secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido.

A deliberação Arsesp nº 1.093 pode ser verificada no link www.arsesp.sp.gov.br/LegislacaoArquivos/ldl10932020.pdf e o referido Contrato de Compra e Venda de Biometano celebrado entre a GasBrasiliano e a Cocal encontra-se assinado com o órgão regulador.


Fonte: Outras Palavras Comunicação Empresarial - retirado do Portal Canaonline