Clipping

Gasolina do Ceará é a mais cara do Nordeste e a quinta do país, aponta pesquisa da ANP

Dentro do estado, o preço mais alto foi identificado em Crateús, onde o preço médio ficou em R$ 4,910.

O valor médio da gasolina do Ceará para o consumidor final é o mais alto do Nordeste e o quinto do país, segundo levantamento divulgado nesta sexta-feira (12), pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

De acordo com a ANP, o preço médio do combustível no estado é de R$ 4,784. O levantamento da ANP aponta também que o combustível cearense só é mais barato do que os estados do Acre (R$ 5,038), Rio de Janeiro (R$ 5,016), Minas Gerais (R$ 4,902) e Goiás (R$ 4,837).

A ANP também realizou pesquisa em 217 postos de combustível de 13 cidades do Ceará contando com Fortaleza. Além de Fortaleza foram analisadas os valores do combustível nos municípios de Canindé, Caucaia, Crateús, Crato, Icó, Iguatu, Itapipoca, Limoeiro do Norte, Juazeiro do Norte, Quixadá, Sobral e Maracanaú.

O preço mais alto foi identificado em Crateús onde o preço médio ficou em R$ 4,910. Logo atrás aparecem Caucaia com R$ 4,822 e Juazeiro do Norte com R$ 4,821. Na capital cearense foram pesquisados 101 postos de combustível.

Queda do preço do diesel

O preço médio do litro do diesel recuou R$ 0,35 na semana, segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgado nesta sexta-feira (8). No mesmo período, o preço da gasolina ficou praticamente estável.

De acordo a ANP, o preço médio do litro do diesel nas bombas caiu de R$ 3,828 para R$ 3,482, uma queda de 9%. O preço máximo encontrado pela agência foi de R$ 4,859.

O levantamento mostrou, portanto, que a redução de R$ 0,46 no preço do diesel prometida pelo governo para encerrar a greve dos caminhoneiros ainda não foi integralmente repassada. A medida entrou em vigor na sexta-feira (1) e o diretor-geral da ANP, Décio Oddone, estimou que a redução do preço poderá levar até 15 dias para chegar aos consumidores de todo o país.

Na quarta-feira, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, admitiu que a redução do preço diesel não seria imediata. Um levantamento feito pelo G1 também mostrou que, de 88 postos pesquisados, 66 postos não deram o desconto de R$ 0,46.

O levantamento da ANP também apurou que o valor médio da gasolina ficou praticamente estável na semana, passou de R$ 4,614 para R$ 4,603 na semana. O preço máximo do litro encontrado nas bombas foi de R$5,599.

No acumulado do ano, o preço médio do diesel nas bombas acumula alta de 4,7%, enquanto o da gasolina subiu 12% até agora.

A pesquisa da ANP também apontou que o preço médio do etanol por litro subiu 0,98%, de R$ 2,953 para R$ 2,982. O maior valor encontrado nas bombas foi de R$ 4,947. No ano, o valor do etanol acumula alta de 2,4%.

Críticas ao calculo do governo

A Plural, entidade que representa as maiores distribuidoras de combustíveis, afirmou na terça-feira que faltou transparência do governo federal ao anunciar o desconto de R$ 0,46 no litro do diesel nos postos. Segundo a entidade, na prática, o desconto real na ponta, a partir dos subsídios concedidos, é de R$ 0,41 e para se chegar ao total anunciado depende de cada estado reduzir o cálculo do ICMS sobre o produto.

Preços na refinaria

Nesta sexta-feira, a Petrobrás elevou em 1,80% o preço da gasolina comercializada nas refinarias. O reajuste vale a partir deste sábado (8). Com a alta, o preço da gasolina A nas refinarias passará de R$ 1,9521 para R$ 1,9873 por litro. Na quinta (7), a Petrobras havia reduzido em 0,48% o preço da gasolina.

O preço do diesel segue congelado a R$ 2,0316 por litro desde 1º de junho, quando a estatal reduziu em R$ 0,07 o preço.


Fonte: G1 CE