Clipping

Geada pode afetar algumas áreas produtoras do Sul

A passagem de uma frente fria pelo centro-sul do país, nos próximos três dias, irá deixar o tempo bastante instável e com possibilidade de chuva generalizada . As regiões produtoras de Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, de São Paulo, Mato Grosso, Goiás, Rondônia e da metade sul de Minas Gerais, deverão receber volumes de chuva entre 10 a 30 mm durante o final de semana.

Entre hoje (18) e amanhã (19), chove também sobre a metade norte do Rio Grande do Sul, mas os maiores volumes de chuva serão registrados no Paraná e no Mato Grosso do Sul. Já em Goiás e no Mato Grosso, a instabilidade virá na forma de pancadas irregulares, podendo não atingir todas as áreas que estão necessitando de mais chuva.

Previsão nas lavouras
As precipitações previstas até domingo (20) irão beneficiar as lavouras de 2ª safra, a cana-de-açúcar e o café. Isso possibilitará a elevação dos níveis de umidade do solo e será garantido melhores condições ao desenvolvimento das lavouras, principalmente de milho, sorgo, feijão e girassol.
A produção de milho deve ser bastante impactada pelo clima neste ano, mesmo com a volta da chuva. A perspectiva é que a quebra de milho, em relação à safra passada, seja bastante significativa variando de 5 a 30%,dependendo da região a ser monitorada.

Os estados do Paraná e de São Paulo, já apresentam as maiores quebras de produtividade, enquanto o Mato Grosso a menor quebra. O lado positivo do retorno da instabilidade, é que as perdas serão estancadas.Ainda assim, podemos estimar que a safra de milho safrinha nacional não deve passar dos 56 milhões de toneladas .

Para a cana-de-açúcar, apesar da chuva atrapalhar o rápido avanço da colheita, será possibilitado uma melhora ao desenvolvimento das plantas , já que muitas continuam sob estresse hídrico. Com isso, a produtividade das lavouras que serão colhidas durante o 2º semestre,vão ser favorecidas.

No café a situação é semelhante, já que a ausência de chuva nas últimas semanas, associada as altas temperaturas, levaram a uma antecipação na maturação dos grãos . Sendo assim, há chance de uma antecipação da colheita, mas nada que ocasione perdas na produtividade. A estimativa é que nessa safra a produção de café seja bem maior do que na safra passada , até porque estamos num período de safra alta, por conta da bianualidade da cultura do café.

Chance de geada nas áreas produtoras
Após a passagem da nova frente fria pelo centro-sul, uma massa de ar polar de moderada intensidade começa a avançar pelos estados do Sul, Centro-Oeste e Sudeste, ocasionando o declínio acentuado das temperaturas mínimas nas madrugadas de segunda (21) e terça-feira (22).

Há possibilidade de ocorrência de geadas de fraca a moderada intensidade sobre as áreas produtoras do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e sul do Paraná. A geada deve pegar algumas áreas de milho safrinha do sul do Paraná, como em Guarapuava, Pato Branco e Ponta Grosso. Há possibilidade de que o frio mais intenso venha ocorrer também em Cascavel, uma vez que é previsto temperaturas na casa dos 2 a 3°C, na manhã dessa próxima segunda-feira (21).

Nas demais regiões do Paraná, em São Paulo e Minas Gerais, a previsão é que segunda (21) seja bastante fria. No entanto, os termômetros deverão marcar valores entre 4 a 8°C , com risco apenas para ocorrências degeadas pontuais nas regiões de alta altitude do sul de São Paulo e de Minas Gerais, sul e leste do Paraná, no interior de Santa Catarina e no norte do Rio Grande do Sul.

Não há riscos para ocorrências de geadas sobre as áreas produtoras de São Paulo, Minas Gerais, Goiás e do Mato Grosso do Sul. Apenas o extremo sul do Estado do Mato Grosso do Sul poderá ter algum registro de geadas bem pontuais. Assim, as lavouras de café, cana-de-açúcar, de hortaliças e as frutíferas, não serão afetadas.

O Paraná passa por grandes problemas, já que o milho safrinha está sofrendo com um forte estresse hídrico , na qual a planta fica mais suscetível ao estresse térmico . Ainda não dá para prever quais serão os reais impactos que a geada poderá trazer para a cultura do milho, mas poderá diminuir ainda mais a produção estadual, que já está bem comprometida esse ano.


Fonte: Climatempo