Clipping

Goiás tem a maior queda no preço do etanol no país na última semana

Goiás é o estado que teve maior redução no preço litro do etanol na última semana, pois passou de R$ 2,85 para R$ 2,78, o que corresponde a 2,56%, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP). O valor médio nas bombas é o menor registrado desde o início de abril, quando chegou a R$ 3,09.

A agência pesquisou o preço em 231 postos de combustíveis. A queda ocorreu na última semana, entre os dias 29 de abril e 5 de maio.

Apesar de a maior redução ter sido registrada nos postos goianos, o valor médio do litro em Goiás perde para São Paulo, onde o litro custa R$ 2,65.

Presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo no Estado de Goiás (Sindiposto), Márcio Martins de Castro Andrade acredita que a redução do valor se deve à maior oferta de cana de açúcar. “Estamos no período de safra e isso tem refletido no preço final, a distribuidora reduz o preço, e os postos têm repassado ao consumidor”, avalia.
Outro ponto levantado por Andrade é a disputa por clientes. Ele ressalta que houve queda na venda de combustíveis, e os estabelecimentos estão em uma “disputa acirrada”.

Restrição do lucro

Desde novembro do ano passado, 96 postos tiveram de reduzir o lucro sobre o litro do etanol a 10,2% para atender a uma decisão liminar do juiz Reinaldo Alves Ferreira, da 1ª vara da Fazenda Pública de Goiás. A ação foi movida pela Superintendência Estadual de Proteção aos Direitos do Consumidor (Procon-GO) após um levantamento que constatou um aumento de 120% no valor do combustível de julho até então.

Nesta terça-feira (8), o mesmo juiz negou um pedido de liminar proposto pelo Ministério Público Estadual, feito na mesma época, para que, além do etanol, limitasse a margem de lucro sobre a gasolina a 14,7%.

“É imperioso salientar que o preço da gasolina no mercado interno encontra-se atrelado ao valor pautado pelo mercado internacional, sofrendo o seu preço variações contínuas, praticamente todas as semanas, o que reforça ainda mais não ser conveniente a intervenção do Estado-Juiz mediante a concessão da liminar requestada”, considera Ferreira, na decisão.
O G1 entrou em contato com a assessoria da promotora de Justiça Marisia Sobral, que responde por essa ação, e aguarda retorno.

O presidente do Sindiposto comemora a decisão do magistrado. Ele defende que a liminar que está em vigor, referente ao lucro sobre o etanol, seja revista.
“A liminar prejudica os postos porque ficou estabelecida uma margem aleatória, sem embasamento econômico, técnico. A margem não é suficiente para que os postos sobrevivam, muitos estão inadimplentes, muitos já trocaram de dono, prejudica os funcionários”, defende Andrade.


Fonte: Portal G1