Clipping

Índia estimula aumento do consumo interno de açúcar

Postado em 4 de Novembro de 2020

O excesso de produção de açúcar levou as indústrias da Índia a iniciarem uma campanha para incentivar a população do país a ampliar o consumo do produto. A Indian Sugar Mills Association (ISMA) informou que quer acabar com os “mitos” sobre o açúcar e seus efeitos na saúde, segundo agências internacionais.

Em média, os indianos consomem 19 quilos de açúcar por ano, um patamar menor que a média global, que é de 23 quilos. Ainda assim, o país é o maior consumidor mundial do adoçante em números absolutos, devido ao tamanho da população.

A produção da Índia deverá aumentar 13% esta safra, para 31 milhões de toneladas, mas o governo indicou que pode interromper os subsídios à exportação.

O novo site da ISMA traz artigos curtos com títulos como “Coma, beba e seja saudável: um pouco de açúcar não é tão ruim”. A campanha da entidade também inclui postagens em mídias sociais e workshops, onde chefs famosos e especialistas em saúde discutem uma vida saudável.

O material inclui receitas de doces e critica adoçantes artificiais, sugerindo que não ajudam as pessoas a perder peso e podem ter consequências para a saúde.

No lançamento do site, o secretário de alimentos da Índia, Sudhanshu Pandey, disse à mídia local que a reputação do açúcar não é merecida. “Existem muitos mitos por aí sobre o açúcar e seu consumo, sem base científica”, disse ele.

Em diversos outros países há campanhas para promover a redução do consumo de açúcar, com base em estudos que o associam a problemas de saúde, como obesidade e diabetes. A Organização Mundial da Saúde (OMS) está particularmente preocupada com os “açúcares grátis”, que geralmente são adicionados aos alimentos e bebidas pelos fabricantes, mas também são encontrados no mel e em sucos de frutas.

Segundo as agências internacionais de notícias, cerca de 50 milhões de agricultores na Índia produzem cana, e outros milhões trabalham em usinas ou no transporte de cana.

O governo adotou uma abordagem intervencionista, usando subsídios para ajudar a vender o açúcar indiano no exterior, o que é contestado por outras nações produtoras de açúcar, como o Brasil.

Outra forma de se livrar do excesso de açúcar é transformá-lo em etanol. A associação das usinas indianas prevê que a produção de etanol do país aumentará de 1,9 bilhão de litros este ano para cerca de 3 bilhões em 2021.


Fonte: Valor Econômico