Clipping

Itaú BBA aponta fatores que devem reduzir a oferta mundial de açúcar na safra 2020/21

Postado em 8 de Outubro de 2020

Seca e incêndios nos canaviais no Brasil, excesso de chuva na Índia e melhor remuneração da mandioca na Tailândia criam a expectativa de menor produção de açúcar

Os especialistas em agro do Itaú BBA observam, no boletim Agromensal de outubro, disparado nesta quarta-feira (7), que o mês de setembro foi marcado pela volatidade do encerramento do contrato de Outubro/20 (V0) em função dos preços do petróleo que foram pressionados pelo temor em relação à uma segunda onda de COVID-19.

Contudo, os preços do açúcar em NY se valorizaram 3,2% no mês, sendo cotado acima de USDc 13/lp ao longo de setembro. Em Reais, as cotações do adoçante mantiveram-se em patamares atrativos às usinas com valorização de 5,4% no mês em função do câmbio desvalorizado e também da alta em NY.

Para a safra global 2020/21, que se iniciou em outubro, há boas perspectivas de produção vindo da Índia visto que as chuvas das monções estão acima da média histórica. Apesar do acúmulo de precipitação, vale destacar que as principais províncias produtoras de cana já sinalizam um alerta quanto ao excesso de chuvas acumuladas.

A Tailândia, segundo maior exportador do adoçante, iniciou a safra com uma área menor em função do aumento de 12% da produção de mandioca devido à sua maior atratividade frente à cana-de-açúcar. A redução de área tailandesa de cana minimizará o crescimento da oferta global do açúcar.

No Brasil, as chuvas, que em algumas regiões acumularam volumes 50% abaixo em relação ao mesmo período do ano anterior, ajudaram no aumento na concentração de ATR e no avanço da colheita. Já há relatos de unidades que finalizaram as operações no campo da safra 2020/21.

No entanto, para a próxima safra, além do estresse hídrico causado pela falta de precipitação que prejudica a rebrota da cana, a ocorrência de incêndios no canavial também poderá afetar na produção. Isso tem contribuído para dar sustentação aos contribuído para dar sustentação aos preços do adoçante para as telas futuras.

 


Fonte: CanaOnline