Clipping

Jalles Machado deve adquirir sua 3ª usina na próxima safra

Postado em 18 de Fevereiro de 2021

A Jalles Machado já tem mapeadas possibilidades de compras de usinas e pretende fechar uma transação na próxima safra (2021/22), que vai começar em abril. O plano, já adiantado em seu prospecto quando realizou o IPO, foi reforçado ontem pelo diretor financeiro da companhia, Rodrigo Penna de Siqueira, em teleconferência sobre os resultados do 3º trimestre.

A maior parte dos recursos a serem empregados na aquisição virá da companhia, obtida na oferta inicial de ações. Dos R$ 641,5 milhões levantados, 56% serão destinados à transação. A Jalles Machado também deverá utilizar na compra uma parcela advinda de financiamento. Segundo Siqueira, essa parcela poderá ficar em torno de 30%, mas dependerá do lote suplementar, cujo prazo de liquidação é 12 de março.

Siqueira disse que, com a alta de açúcar e etanol, a geração de caixa neste último trimestre da safra atual será maior que a prevista, o que pode reforçar sua capacidade de utilizar recursos próprios no negócio.

No 3º trimestre da safra, a companhia teve uma receita líquida de R$ 267,3 milhões e um lucro líquido de R$ 50,6 milhões - quedas de 7% e 12%, respectivamente, em razão da estratégia da companhia de carregar mais produtos para vender no período de entressafra.

A companhia também está colocando em marcha seu plano de expansão orgânica para adicionar 1 milhão de toneladas à capacidade de processamento de cana em suas duas usinas. A maior parte dos investimentos industriais deverá ocorrer na próxima entressafra, de outubro a março de 2022. Já a expansão agrícola deverá ser concluída em 2024.

Das 1 milhão de toneladas de cana a mais, 800 mil deverão vir da expansão de área com novas parcerias agrícolas e 200 mil de investimentos em produtividade - especialmente em um projeto de irrigação, orçado em R$ 50 milhões. Segundo Siqueira, a irrigação aumenta a produtividade em 40 toneladas por hectare. Os planos também preveem aportes em biogás nas duas usinas de Goianésia (GO) e no escoamento de açúcar orgânico pela ferrovia Norte-Sul, que estão em negociação.


Fonte: Valor Econômico