Clipping

Jalles Machado sobe quase 9% em estreia na B3

Postado em 9 de Fevereiro de 2021

As ações da Jalles Machado ainda estão abaixo da faixa originalmente indicada pelos coordenadores da oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) da empresa, mas, em sua estreia na B3, nesta segunda-feira, já apresentaram um bom cartão de visitas: os papéis fecharam o dia em alta de 8,92%, a R$ 9,04.

Na máxima do dia, logo no início do pregão, as ações subiram 20,3%, sendo negociadas por R$ 9,99. Ainda que o ritmo não tenha se sustentado por muito tempo, em nenhum momento os papéis trocaram de mãos por menos de R$ 8,30, preço estabelecido na semana passada para o IPO. Na mínima do dia da estreia, eles chegaram a R$ 8,76.

Ao menos 12 empresas abrirão seu capital na B3 ao longo de fevereiro, em IPOs que devem levantar até R$ 22 bilhões, como já informou o Valor. Mesmo com movimentação excepcionalmente alta para o mês mais curto do ano, a oferta de ações da Jalles Machado, que produz açúcar, etanol e álcool sanitizante, entre outros derivados da cana, vinha criando expectativa por marcar o retorno do segmento à bolsa de valores.

É verdade que a empresa precisou concordar com a redução do valor que os coordenadores do IPO, liderados pela XP Investimentos, haviam estimado para a abertura de capital - a faixa indicativa ia de R$ 10,35 a R$ 12,95. Não se tratou de leitura pessimista sobre o potencial da companhia, no entanto: o “desconto” foi dado para refletir a comparação com os papéis da São Martinho, que balizaram a precificação.

Para efeito de comparação, as ações da Jalles Machado dispararam em um dia em que o Ibovespa, principal indicador da bolsa brasileira, fecharam em baixa de 0,45%, a 119.696 pontos. Também apenas para efeito de comparação, a plataforma integrada de negócios em energia elétrica Focus Energia, outra empresa que estreou na B3 nesta segunda, fechou em queda de 13,15%.

Ao todo, o IPO da Jalles Machado movimentou R$ 741,5 milhões, sendo R$ 594 milhões na oferta primária (dinheiro que vai para o caixa da companhia) e R$ 147,5 milhões em ações negociados pelos acionistas na oferta secundária. A companhia utilizará os recursos de sua entrada na bolsa de valores para comprar uma usina e depois ampliá-la - a ideia é que seja uma de porte entre pequeno e médio, com capacidade de moer 2 milhões de toneladas de cana por safra - e também para investir em seus canaviais.

 


Fonte: Valor Econômico